O EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO - CAPÍTULO VII 1007

CAPÍTULO VII

BEM-AVENTURADOS OS POBRES DE ESPÍRITO

O que é preciso entender por pobres de espírito. – Todo aquele que se eleva, será rebaixado. – Mistérios ocultos aos sábios e aos prudentes. – Instruções dos Espíritos: O orgulho e a humildade. – Missão do homem inteligente na Terra.

*

O QUE É PRECISO ENTENDER POR POBRES DE ESPÍRITO

1. Bem-aventurados os pobres de espírito, porque deles é o reino dos céus. (São Mateus, cap. V. v. 3).

2. A incredulidade se divertiu com esta máxima: Bem-aventurados os pobres de espírito, como com outras coisas, sem a compreender. Por pobres de espírito Jesus não entende os homens desprovidos de inteligência, mas os humildes: ele disse que o reino dos céus é deles e não dos orgulhosos.

Os homens de ciência e de espírito, segundo o mundo, têm geralmente tão alta consideração de si mesmos e de sua superioridade, que olham as coisas divinas como indignas de sua atenção; seus olhares, concentrados sobre sua pessoa, não podem se elevar até Deus. Essa tendência a se crer acima de tudo não os leva senão, muito freqüentemente, a negar o que, estando-lhes acima, poderia rebaixá-los, e a negar mesmo a Divindade; ou, se consentem em admiti-la, contestam-lhe um dos seus mais belos atributos: sua ação providencial sobre as coisas deste mundo, persuadidos de que só eles bastam para bem governá-lo. Tomando sua inteligência por medida da inteligência universal, e se julgando aptos a tudo compreender, não podem crer na possibilidade daquilo que não compreendem; quando pronunciaram seu julgamento, têm-no por inapelável.