O LIVRO DOS ESPÍRITOS - LIVRO II - CAP. I - DOS ESPÍRITOS 105

FORMA E UBIQÜIDADE DOS ESPÍRITOS.

88 - Os Espíritos têm uma forma determinada, limi-tada e constante?

- Para vós, não; para nós, sim. O Espírito é, se quiserdes, uma chama, um clarão ou uma centelha etérea.

- Essa chama ou centelha tem uma cor qualquer?

- Para vós, ela varia da sombra ao brilho do rubi, segundo seja o Espírito mais ou menos puro.

Representam-se ordinariamente os gênios com uma flama ou estrela sobre a fronte; é uma alegoria que lembra a natureza essencial dos Espíritos. Colocam-na na altura da cabeça porque aí está a sede da inteligência.

89 - Os Espíritos gastam algum tempo para percorrer o espaço?

- Sim, porém, rápido como o pensamento.

- O pensamento não é a própria alma que se transporta?

- Quando o pensamento está em qualquer parte, a alma aí está também, pois é a alma quem pensa. O pensamento é um atributo.

90 - O Espírito que se transporta de um lugar a outro tem consciência da distância que percorre e dos espaços que atravessa, ou é subitamente transportado para o lugar onde quer ir?

- Ocorrem ambas as coisas. O Espírito pode, muito bem, se ele quiser, tomar conhecimento da distância que percorre, mas essa distância pode desaparecer completa-mente, dependendo da sua vontade e da sua natureza mais ou menos depurada.

91 - A matéria constitui obstáculo aos Espíritos?

- Não; eles penetram em tudo: o ar, a terra, as águas e mesmo o fogo lhes são igualmente acessíveis.

92 - Os Espíritos têm o dom da ubiqüidade? Por outras palavras, o mesmo Espírito pode se dividir ou existir em vários lugares ao mesmo tempo?

- Não pode haver divisão do mesmo Espírito, mas cada