O EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO - CAPÍTULO XIII 1080

Ricos! pensai um pouco nisso; ajudai, com o que tendes de melhor, os infelizes; dai, porque Deus vos retribuirá um dia o bem que houverdes feito, para que encontreis, ao sair do vosso envoltório terrestre, um cortejo de Espíritos reconhecidos, que vos receberão no limiar de um mundo mais feliz.

Se pudésseis saber a alegria que experimentei em reencontrar aqui aqueles a quem pude beneficiar em minha última vida terrena!...

Amai, pois, o vosso próximo; amai-o como a vós mesmos, porque, o sabeis agora, esse infeliz que repelis talvez seja um irmão, um pai, um amigo que afastais para longe de vós; e então, qual será o vosso desespero em o reconhecendo no mundo dos Espíritos!

Desejo que compreendais bem o que pode ser a caridade moral, a que cada um pode praticar, a que nada custa materialmente, e, entretanto, a que é mais difícil de se pôr em prática.

A caridade moral consiste em se suportar uns aos outros, e é o que menos fazeis nesse mundo inferior onde estais encarnados no momento. Há um grande mérito, crede-me, em saber se calar para deixar falar um mais tolo; e ainda aí está um gênero de caridade. Saber ser surdo quando uma palavra de zombaria escapa de uma boca habituada a escarnecer; não ver o sorriso de desdém que acolhe a vossa entrada entre pessoas que, freqüentemente, erradamente, se crêem acima de vós, enquanto que, na vida espírita, a única real, estão algumas vezes bem longe disso; eis um mérito, não de humildade, mas de caridade; porque não anotar os erros de outrem é caridade moral.

Entretanto, essa caridade não deve impedir a outra; mas pensai sobretudo em não menosprezar o vosso semelhante; lembrai-vos de tudo o que vos tenho dito: é preciso lembrar sem cessar que, no pobre rejeitado talvez repilais um Espírito que vos foi caro, e que se encontra momentaneamente em posição inferior à vossa. Eu revi um dos pobres da vossa Terra que pude, por felicidade, beneficiar algumas vezes, e a quem me cabe agora implorar, por minha vez.

Recordai-vos de que Jesus disse que somos irmãos, e pensai sempre nisso antes de repelir o leproso ou o mendigo.