O EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO - CAPÍTULO XIII 1091

riso amigo; evitai esse ar de proteção que fere de novo o coração que sangra, e pensai que fazendo o bem trabalhais para vós e para os vossos. (UM ESPÍRITO FAMILIAR, Paris, 1860).

BENEFÍCIOS PAGOS COM A INGRATIDÃO

19. Que pensar das pessoas que tendo seus benefícios sido pagos com a ingratidão, não fazem mais o bem com medo de reencontrar ingratos?

Essas pessoas têm mais de egoísmo do que de caridade; porque não fazer o bem senão para dele receber sinais de reconhecimento, é não fazê-lo com desinteresse, e o benefício desinteressado é o único agradável a Deus. Também são orgulhosas porque se comprazem na humildade do beneficiado que vem depositar reconhecimento aos seus pés. Aquele que procura na Terra a recompensa do bem que faz, não a receberá no céu; mas Deus terá em conta aquele que não a procura na Terra.

É preciso sempre ajudar os fracos, mesmo sabendo de antemão que aqueles a quem se faz o bem não estarão contentes. Sabei que se aquele a quem prestais serviço esquece o benefício, Deus vo-lo terá mais em conta do que se estivésseis já recompensados pelo reconhecimento do beneficiado. Deus permite que sejais pagos, por vezes, com a ingratidão, para experimentar a vossa perseverança em fazer o bem.

E sabeis, aliás, se esse benefício, esquecido no momento não dará mais tarde bons frutos? Estais certos, ao contrário, de que é uma semente que germinará com o tempo. Infelizmente, não vedes sempre senão o presente; trabalhais para vós, e não tendo em vista os outros. Os benefícios acabam por abrandar os corações mais endurecidos; eles podem ser menosprezados nesse mundo, mas quando o Espírito se desembaraçar de seu envoltório carnal, lembrar-se-á, e essa lembrança será seu castigo; então, lamentará a sua ingratidão e quererá reparar sua falta, pagar sua dívida noutra existência, freqüentemente, aceitando mesmo uma vida de devotamento para com o seu benfeitor. É assim que, sem disso suspeitardes, tereis contribuído para seu adiantamento moral, e reconhecereis, mais tarde, toda a verdade desta máxima: Um benefício jamais se perde. Mas tereis também trabalhado pa-