O LIVRO DOS ESPÍRITOS - LIVRO II - CAP. I - DOS ESPÍRITOS 111

para melhor enganar. Ligam-se aos homens de caráter bastante fraco para cederem às suas sugestões, a fim de prejudicá-los, satisfeitos em poderem retardar o seu progresso e fazê-los sucumbir nas provas por que passam.

Podem ser reconhecidos, em suas manifestações, pe-la sua linguagem: a trivialidade e a grosseria das expressões, nos Espíritos como nos homens, é sempre um indício de in-ferioridade moral, senão intelectual. Suas comunicações reve-lam a baixeza de suas inclinações e se tentam enganar falan-do de maneira sensata, não podem sustentar por muito tempo seu papel e acabam sempre por revelar a  sua  origem.

Certos povos fizeram deles divindades malfazejas, outros os designaram sob o nome de demônios, gênios maus e Espíritos do mal.

Quando estão encarnados, os seres que eles animam são inclinados a todos os vícios que engendram as paixões vis e degradantes: a sensualidade, a crueldade, o embuste, a hipocrisia, a cupidez e a avareza sórdida. Fazem o mal pelo prazer de fazê-lo, e muito freqüentemente sem motivos, esco-lhendo suas vítimas, por ódio que têm ao bem, quase sempre entre as pessoas honestas. São flagelos para a Humanidade, qualquer que seja a categoria social a que pertençam, e o verniz da civilização não os livra do opróbrio e da ignomínia.

103- Nona classe - ESPÍRITOS LEVIANOS. - São ignorantes, maliciosos, inconseqüentes e zombeteiros. Envolvem-se em tudo, respondem a tudo, sem se preocuparem com a verdade. Comprazem-se em causar pequenos desgostos e pequenas alegrias, atormentando, induzindo maliciosamente ao erro por meio de mistificações e travessuras. A esta clas-se pertencem os Espíritos vulgarmente designados sob os nomes de gnomos, duendes, diabretes, trasgos. Estão sob a dependência dos Espíritos superiores, que, freqüentemente, os empregam, como fazemos com os nossos servidores.

Nas suas comunicações com os homens, a sua linguagem é algumas vezes espiritual e engraçada, mas, quase sempre, sem conteúdo. Compreendem os defeitos e o ridículo humanos, exprimindo-os em tiradas mordazes e satíricas. Se usam nomes supostos, é mais por malícia do que por maldade.

104 - Oitava classe - ESPÍRITOS PSEUDO-SÁBIOS.