O EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO - CAPÍTULO XVI 1111

entre no reino dos céus. Digo-vos ainda um vez: É mais fácil um camelo passar pelo buraco de uma agulha, do que um rico entrar no reino dos céus (1). (São Mateus, cap. XIX, v. de 16 a 24. São Lucas, cap. XVIII, v. de 18 a 25. São Marcos, cap. X, v. 17 a 25).

GUARDAR-SE DA AVAREZA

3. Então um homem lhe disse do meio da multidão: Mestre, dizei a meu irmão que divida comigo a herança que nos coube. Mas Jesus lhe disse: Ó homem! quem me estabeleceu para vos julgar ou para fazer vossas partilhas? Depois lhe disse: Tende cuidado em vos guardar de toda avareza; porque em qualquer abundância que o homem esteja, sua vida não depende dos bens que ele possua.

E lhe disse em seguida esta parábola. Havia um homem rico, cujas terras tinham produzido extraordinariamente; e ele mantinha em si mesmo estes pensamentos: Que farei, porque não tenho lugar onde eu possa encerrar tudo o que colhi? Eis, disse ele, o que farei: Derrubarei meus celeiros e os construirei maiores e aí colocarei toda a minha colheita e todos os meus bens; e direi à minha alma: Minha alma, tu tens muitos bens reservados para vários anos; repousa, come, bebe, ostenta. Mas Deus ao mesmo tempo disse a esse homem: Insensato que és! vai ser retomada tua alma esta noite mesmo; e para quem será o que amontoaste?

É isso o que acontece àquele que amontoa tesouros para si mesmo, e que não é rico diante de Deus. (São Lucas, cap. XII, v. 13 a 21).

JESUS NA CASA DE ZAQUEU

4. Jesus, tendo entrado em Jericó, passava pela cidade; e havia um homem chamado Zaqueu, chefe dos publicanos e muito rico que, tendo vontade de ver Jesus para conhecê-lo, não o podia por causa da multidão, porque ele era muito pequeno; por isso correu à frente e subiu a um si-


(1) Esta figura audaciosa pode parecer um pouco forçada, porque não se vê a relação que existe entre um camelo e uma agulha. Isso resulta de que, em hebreu, a mesma palavra se emprega para designar cabo e camelo. Na tradução se lhe deu esta última acepção; é provável que a primeira era a que estava no pensamento de Jesus; ela é, pelo menos, mais natural.