O EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO - CAPÍTULO XVII 1135

deverão redimir-se. (FRANÇOIS - NICOLAS - MADELEINE, Paris, 1863).

OS SUPERIORES E OS INFERIORES

9. A autoridade, da mesma forma que a fortuna, é uma delegação da qual serão pedidas contas àquele que dela se acha investido; não creiais que ela lhe seja dada para lhe proporcionar o vão prazer de comandar, nem, assim como o crêem falsamente a maioria dos poderosos da Terra, como um direito, uma propriedade. Deus, entretanto, lhes prova suficientemente que não é nem uma nem outra coisa, uma vez que lhas retira quando isso lhe apraz. Se fosse um privilégio ligado à sua pessoa, ela seria inalienável. Ninguém pode, pois, dizer que uma coisa lhe pertence, quando lhe pode ser tirada sem seu consentimento. Deus dá a autoridade a título de missão ou de prova quando isso lhe convém, e a retira da mesma forma.

Todo aquele que é depositário da autoridade, de qualquer extensão que ela seja, desde o senhor sobre seu servo até o soberano sobre seu povo, não deve se dissimular que tem encargo de almas; ele responderá pela boa ou má direção que tiver dado aos seus subordinados, e as faltas que estes poderão cometer, os vícios a que serão arrastados, em conseqüência dessa direção ou de maus exemplos recairão sobre ele, enquanto que recolherá os frutos da sua solicitude para conduzi-los ao bem. Todo homem tem, na Terra, uma missão pequena ou grande; qualquer que ela seja, é sempre dada para o bem; é, pois, nela falir, falseá-la em seu princípio.

Se Deus pergunta ao rico: Que fizeste da fortuna que deveria ser em tuas mãos uma fonte espalhando a fecundidade ao teu redor? Ele perguntará àquele que possui uma autoridade qualquer: Que uso fizeste dessa autoridade? Que mal detiveste? Que progresso fizeste? Se eu te dei subordinados não foi para fazer deles escravos da tua vontade, nem os instrumentos dóceis de teus caprichos e da tua cupidez; eu te fiz forte, e te confiei os fracos para os sustentar e os ajudar a subir até mim.

O superior, que está compenetrado das palavras do Cristo, não despreza a nenhum daqueles que estão abaixo de si, porque sabe que as distinções sociais nada instituem diante de Deus. O Espiritismo lhe ensina que se o obedecem hoje,