O EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO - CAPÍTULO XVIII 1147

14. Prestai bem atenção naquilo que ouvis; porque se servirá para convosco da mesma medida da qual vos servirdes para com os outros, e vos será dado ainda mais; porque se dará àquele que já tem, e para aquele que não tem, se lhe tirará mesmo o que tem. (São Marcos, cap. IV, v. 24, 25).

15. "Dá-se àquele que já tem e se tira àquele que não tem"; meditai estes grandes ensinamentos que, freqüentemente, vos pareceram paradoxais. Aquele que recebeu é o que possui o sentido da palavra divina; não a recebeu senão porque tentou dela se tornar digno, e o Senhor, em seu amor misericordioso, encoraja os esforços que tendem ao bem. Estes esforços firmes, perseverantes, atraem as graças do Senhor; é um imã que chama para si as melhoras progressivas, as graças abundantes que vos tornam fortes para escalar a montanha santa, no cume da qual está o repouso depois do trabalho.

"Tira-se àquele que nada tem, ou que tem pouco"; tomai isto como uma oposição figurada. Deus não retira às suas criaturas o bem que se dignou fazer-lhes. Homens cegos e surdos! abri as vossas inteligências e os vossos corações; vede pelo vosso espírito; ouvi pela vossa alma, e não interpreteis de maneira tão grosseiramente injusta as palavras daquele que fez resplandecer, aos vossos olhos, a justiça do Senhor. Não é Deus quem retira daquele que havia recebido pouco, é o próprio Espírito, ele mesmo, que, pródigo e negligente, não sabe conservar o que tem, e aumentar, na fecundidade, o óbolo que lhe caiu no coração.

Aquele que não cultiva o campo que o trabalho de seu pai lhe ganhou, e o qual ele herda, vê esse campo se cobrir de ervas parasitas. É seu pai quem lhe toma as colheitas que não quis preparar? Se deixou as sementes, destinadas a produzir nesse campo, mofar por falta de cuidado, deve acusar seu pai, se elas não produzem nada? Não, não; em lugar de acusar aquele que tinha tudo preparado para ele, de retomar seus dons, que acuse o verdadeiro autor das suas misérias e que, então, arrependido e ativo, se lance à obra com coragem; que rompa o solo ingrato com o esforço da sua vontade; que o lavre a fundo com a ajuda do arrependimento e da esperança; que nele jogue com confiança a semente que tiver escolhido como boa entre as más, que a regue com o seu amor e a sua caridade, e Deus, o Deus de amor