O EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO - CAPÍTULO XVIII 1149

Abri, pois, os vossos ouvidos e os vossos corações, meus bem-amados! Cultivai essa árvore de vida cujos frutos dão a vida eterna. Aquele que a plantou vos convida a cuidá-la com amor, e a vereis produzir ainda, com abundância, seus frutos divinos. Deixai-a tal como o Cristo vô-la deu: não a mutileis; sua sombra imensa quer se estender sobre o Universo; não encurteis seus ramos. Seus frutos benfazejos caem em abundância para sustentar o viajor sedento que quer atingir o objetivo; não os colheis, esses frutos, para os guardar e os deixar apodrecer, a fim de que não sirvam a ninguém. "Há muitos chamados e poucos escolhidos"; há açambarcadores do pão de vida como os há, freqüentemente, para o pão material. Não vos enfileireis entre eles; a árvore que produz bons frutos deve distribuí-los para todos. Ide, pois, procura r aqueles que estão sedentos; conduzi-os sob os ramos da árvore e dividi com eles o abrigo que ela vos oferece. "Não se colhem uvas dos espinheiros." Meus irmãos, distanciai-vos, pois, daqueles que vos chamam para vos apresentar as dificuldades do caminho, e segui aqueles que vos conduzem à sombra da árvore de vida.

O divino Salvador, o justo por excelência, disse, e suas palavras não passarão: "Aqueles que me dizem: Senhor! Senhor! não entrarão todos no reino dos céus, mas só aqueles que fazem a vontade do meu Pai que está nos céus."

Que o Senhor de bênçãos vos abençoe; que o Deus de luz vos ilumine; que a árvore de vida derrame sobre vós seus frutos com abundância! Crede e orai. (SIMEÃO, Bordéus, 1863).