O LIVRO DOS ESPÍRITOS - LIVRO II - CAP. II - ENCARNAÇÃO DOS ESPÍRITOS 123

ENCARNAÇÃO DOS ESPÍRITOS

- Sim; todavia , desde que cessa a vida do corpo, a alma o abandona. Antes do nascimento, não há ainda união definitiva entre a alma e o corpo; enquanto que depois que essa união está estabelecida, a morte do corpo rompe os laços que o unem à alma, e a alma o deixa. A vida orgânica pode animar um corpo sem alma, mas a alma não pode habitar um corpo privado de vida orgânica.

- Que seria o nosso corpo se não tivesse alma?

- Massa de carne sem inteligência, tudo o que desejar-des, menos um homem.

137 - O mesmo Espírito pode encarnar em dois corpos diferentes ao mesmo tempo?

- Não, o Espírito é indivisível e não pode animar, simultaneamente, dois seres distintos. (Ver em O Livro dos Médiuns, capítulo: Bi-corporeidade e transfiguração).

138 - Que pensar da opinião daqueles que consideram a alma como o princípio da vida material?

- É uma questão de palavras que não a temos; começai por vos entenderdes mutuamente.

139 - Certos Espíritos, e antes deles alguns filósofos, definiram a alma como uma centelha anímica emanada do grande Todo; por que essa contradição?

- Não há contradição; depende da significação das palavras. Por que não tendes uma palavra para cada coisa?

A palavra alma é empregada para designar coisas muito diferentes. Alguns chamam assim o princípio da vida e, nesta significação, é exato dizer, em sentido figurado, que alma é uma centelha anímica emanada do grande Todo. Essas últimas palavras indicam a fonte universal do princípio vital, de onde cada ser absorve uma porção, e que, depois da morte, retorna à massa. Essa idéia não exclui a de um ser moral distinto, independente da matéria e que conserva a sua individualidade. É a esse ser que nós, igualmente, chamamos alma e é nessa significação que podemos dizer que a alma é um Espírito encarnado. Dando à palavra alma definições diferentes, os Espíritos falam segundo a aplicação que fazem dela, e segundo as idéias terrestres de que estão ainda mais ou menos imbuídos. Isso decorre da insuficiência da linguagem humana que não tem uma palavra para cada idéia, tornando-se a fonte de uma multidão de enganos e discussões. Eis porque os Espíritos superiores nos dizem que nos entendamos primeiro acerca das palavras (1).

(1) -– Ver na "Introdução", § II, a explicação sobre a palavra alma.