O EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO - CAPÍTULO XXVIII 1244

Ó Eterno, só tu és grande, só tu és o fim e o objetivo da minha vida! Teu nome seja bendito, se me feres, porque és o Senhor e eu o servidor infiel; curvarei minha fronte sem me lamentar, porque tu és grande, só tu és a meta.

NUM PERIGO IMINENTE

34. PREFÁCIO. Pelos perigos que corremos, Deus nos lembra a nossa fraqueza e a fragilidade da nossa existência. Ele nos mostra que a nossa vida está em suas mãos, e que a sustenta por um fio que pode se partir no momento em que nós menos esperamos. Sob esse aspecto, não há privilégio para ninguém, porque o grande e o pequeno estão submetidos às mesmas alternativas.

Se se examinar a natureza e as conseqüências do perigo, ver-se-á que, o mais freqüentemente, essas conseqüências, se houvessem ocorrido, teriam sido a punição de uma falta cometida, ou de um dever negligenciado.

35. PRECE. Deus Todo-Poderoso, e vós meu anjo guardião, socorrei-me! Se devo sucumbir, que a vontade de Deus seja feita. Se eu for salvo, que o resto da minha vida repare o mal que pude fazer e do qual me arrependo.

AÇÃO DE GRAÇAS DEPOIS DE TER ESCAPADO DE UM PERIGO

36. PREFÁCIO. Pelos perigos que corremos, Deus nos mostra que podemos, de um momento para outro, ser chamados a prestar contas do emprego que fizemos da vida; ele nos adverte assim para nos concentrarmos e nos emendarmos.

37. PRECE. Meu Deus, e vós meu anjo guardião, eu vos agradeço pelo socorro que me enviastes no perigo que me ameaçou. Que esse perigo seja para mim uma advertência, e que ele me esclareça sobre as faltas que puderam mo atrair. Compreendo, Senhor, que a minha vida está em vossas mãos, e que podeis ma retirar quando vos aprouver. Inspirai-me, pelos bons Espíritos que me assistem, o pensamento de empregar utilmente o tempo que me concedeis ainda neste mundo.

Meu anjo guardião, sustentai-me na resolução que tomo de reparar os meus erros e de fazer todo o bem que estiver