O EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO - CAPÍTULO XXVIII 1261

70. PRECE. Senhor, Deus de misericórdia, não repilais esse criminoso que vem de deixar a Terra; a justiça dos homens pôde atingi-lo, entretanto, não o isentou da vossa justiça, se seu coração não foi tocado pelo remorso.

Erguei a venda que lhe oculta a gravidade das suas faltas; possa o seu arrependimento encontrar graça diante de vós e aliviar os sofrimentos da sua alma! Possam também as nossas preces e a intercessão dos bons Espíritos levar-lhe a esperança e a consolação; inspirai-lhe o desejo de reparar as suas más ações numa nova existência, e lhe dar a força de não sucumbir nas novas lutas que empreenderá.

Senhor, tende piedade dele!

POR UM SUICIDA

71. PREFÁCIO. O homem não tem jamais o direito de dispor da própria vida, porque só a Deus cabe tirá-lo do cativeiro terrestre, quando o julga oportuno. Todavia, a justiça divina pode abrandar os seus rigores em favor das circunstâncias, mas reserva toda a sua severidade para aquele que quis se subtrair às provas da vida. O suicida é como o prisioneiro que se evade da prisão, antes de expirar a sua pena, e que, quando é recapturado, é mantido mais severamente. Assim ocorre com o suicida, que crê escapar às misérias presentes, e mergulha em infelicidades maiores. (Cap. V, nºs 14 e seguintes).

72. PRECE. Sabemos, ó meu Deus, a sorte reservada àqueles que violam as vossas leis, abreviando voluntariamente os seus dias; mas sabemos também que a vossa misericórdia é infinita: dignai-vos estendê-la sobre a alma de N... Possam as nossas preces e a vossa comiseração abrandar a amargura dos sofrimentos que ele experimenta por não ter tido a coragem de esperar o fim das suas provas!

Bons Espíritos, cuja missão é assistir os infelizes, tomai-o sob a vossa proteção; inspirai-lhe o arrependimento de sua falta, e que a vossa assistência lhe dê a força de suportar com mais resignação as novas provas que terá de sofrer para repará-la. Afastai dele os maus Espíritos que poderiam, de novo, levá-lo ao mal, e prolongar os seus sofrimentos, fazendo-o perder o fruto das suas futuras provas.