O CÉU E O INFERNO - PRIMEIRA PARTE - DOUTRINA - CAPÍTULO III - O CÉU 1305

ter atingido o ponto culminante da perfeição, goza ele  de uma felicidade relativa ao seu adiantamento. Como a  criança, experimenta as  alegrias  da  primeira  idade,  mais  tarde as da juventude e, finalmente, as mais sólidas da idade madura.

12. – A felicidade dos Espíritos bem-aventurados não consiste na ociosidade contemplativa, que seria, como freqüentemente se tem dito, uma eterna e fastidiosa inutilidade. A vida espiritual, em todos os degraus, é, ao contrário, uma constante atividade, mas uma atividade isenta de fadigas. A suprema  felicidade  consiste no gozo de todos os esplendores da criação, que nenhuma linguagem humana saberia descrever, que a mais fecunda imaginação não poderia  conceber; no conhecimento e na penetração de todas as coisas; na ausência de toda pena física e moral; em uma satisfação íntima, uma serenidade da alma que nada altera; no amor puro que une todos os seres, por conseqüência da ausência de toda ofensa pelo contato dos maus, e acima de tudo, na visão de Deus e na compreensão dos seus mistérios revelados aos mais dignos. Ela está também nas funções das quais se está feliz por ser encarregado. Os puros Espíritos são os Messias ou mensageiros de Deus para a transmissão e execução de suas vontades; cumprem as grandes missões, presidem à formação dos mundos e à harmonia geral do Universo, encargo  glorioso ao qual não se chega senão pela perfeição. Os de ordem mais elevada são os únicos que estão nos segredos de Deus, inspirando-se de seu pensamento, de que são os representantes diretos.

13. – As atribuições dos Espíritos são proporcionais ao seu adiantamento, às luzes que possuem, às suas capacidades, à sua experiência e ao grau de confiança que inspiram ao soberano Mestre. Aí, nada de privilégio, nada de favores que não são o preço do mérito: tudo é medido ao peso da estrita justiça. As missões, as mais importantes, não são confiadas senão àqueles que Deus sabe apropriados a cumpri-las, e incapazes de nelas falirem ou de comprometê-las. Enquanto que, sob o próprio olhar de Deus, os mais dignos compõem o conselho supremo, aos chefes superiores é atribuída a direção de turbilhões planetários; a outros é conferida a dos mundos especiais. Vêm, em seguida, na ordem do adiantamento e da subordinação hierárquica, as