O CÉU E O INFERNO - PRIMEIRA PARTE - DOUTRINA - CAPÍTULO V - O PURGATÓRIO 1332

ainda mais penosas, porque, a uma mancha não apagada, ela acrescenta uma outra mancha.

É, pois, nas encarnações sucessivas que a alma se despoja, pouco a pouco, de suas imperfeições, que ela se purga em uma palavra, até que esteja bastante pura para merecer trocar os mundos de expiação pelos mundos mais felizes, e, mais tarde, estes para gozar a felicidade suprema.

O purgatório não é, pois, uma idéia vaga e incerta; é uma realidade material que vemos, tocamos e experimentamos; está nos mundos de expiação, e a Terra é um desses mundos; os homens nela expiam seu passado e seu presente em proveito de seu futuro. Mas, contrariamente à idéia que deles se faz, depende de cada um abreviar ou prolongar a sua estada, segundo o grau de adiantamento e de depuração, que tenha alcançado pelo seu trabalho sobre si mesmo; deles se sai, não porque se terminou seu tempo ou por méritos de outrem, mas pelo fato de seu próprio mérito, segundo estas palavras do Cristo: "A cada um segundo as suas obras", palavras que resumem toda a justiça de Deus.

5. – Aquele, pois, que sofre nesta vida, deve dizer-se que sofre por que não estava suficientemente depurado na sua precedente existência, e que, se não o fizer nesta, sofrerá ainda na seguinte. Isto é, ao mesmo tempo, equitativo e lógico. Sendo o sofrimento inerente à imperfeição, sofre-se tão longo tempo quanto se seja imperfeito, como se sofre de uma moléstia tão longo tempo quanto não se esteja curado. É assim que, tanto que um homem seja orgulhoso, ele sofrerá as conseqüências do orgulho; tanto que seja egoísta, sofrerá as conseqüências do egoísmo.

6. – O Espírito culpado sofre, primeiro, na vida espiritual em razão do grau de suas imperfeições; depois, a vida corporal lhe é dada como meio de reparação; é por isso que nela se reencontra, seja com as pessoas que ofendeu, seja em meios análogos àqueles onde fez o mal, seja nas situações que são a contrapartida, como, por exemplo, estar na miséria se foi mau rico, em uma condição humilhante se foi orgulhoso.

A expiação, no mundo dos Espíritos e na Terra, não é um duplo castigo para o Espírito; é o mesmo que continuar na Terra, como complemento, tendo em vista facilitar o seu adiantamento por um trabalho efetivo; depende dele tirar-lhe