O CÉU E O INFERNO - PRIMEIRA PARTE - DOUTRINA - CAPÍTULO VII - AS PENAS FUTURAS SEG.O ESPIRITISMO 1357

ainda estaria no mal. Deus, que é justo, pune o mal quando ele existe; e cessa de punir quando o mal não existe mais (1); ou, se se quer, sendo o mal moral, por si mesmo, uma causa de sofrimento, o sofrimento dura tão longo tempo quanto o mal subsista; a sua intensidade diminui à medida que o mal se enfraquece.

14º Estando a duração do castigo subordinada ao melhoramento, disso resulta que o Espírito culpado que não se melhora nunca, sofrerá sempre, e que, para ele, a pena seria eterna.

15º Uma condição inerente à inferioridade dos Espíritos é a de não ver o termo de sua situação, e de crer que sofrerão sempre. É, para eles, um castigo que lhes parece que será eterno (2).

16º O arrependimento é o primeiro passo para a melhoria; mas só ele não basta, é preciso, ainda, a expiação, a reparação.

Arrependimento, expiação e reparação são as três condições necessárias para apagar os traços de uma falta e suas conseqüências.

O arrependimento abranda as dores da expiação, no que traz a esperança e prepara os caminhos da reabilitação; mas unicamente a reparação pode anular o efeito, em destruindo a causa; o perdão seria uma graça e não uma anulação.

17º O arrependimento pode ocorrer em qualquer parte e em qualquer tempo; se é tardio, o culpado sofre por mais tempo.

A expiação consiste nos sofrimentos físicos e morais, que são a conseqüência da falta cometida, seja desde a vida presente, seja, depois da morte, na vida espiritual, seja em


(1) Ver acima, capítulo VI, n. 25, citação de Ezequiel.

(2) Perpétuo é sinônimo de eterno. Diz-se: o limite das neves perpétuas; os gelos eternos dos pólos; diz-se, também o secretário perpétuo da Academia, o que não quer dizer que o será perpetuamente, mas, unicamente, por um tempo ilimitado. Eterno e perpétuo se empregam, pois, no sentido de indeterminado. Nessa acepção, pode-se dizer que as penas são eternas, se se entende que não têm uma duração limitada; são eternas para o Espírito que não lhes vê o fim.