O CÉU E O INFERNO - PRIMEIRA PARTE - DOUTRINA - CAPÍTULO X - INTERVENÇÃO DO DEMÔNIOS 1400

não há negação possível, disso é preciso concluir ou que o demônio é um desastrado num alto grau, que nem é tão temível, nem tão maligno quanto se pretende e, por conseqüência, que não é muito a temer, uma vez que trabalha contra os seus interesses, ou bem que todas as manifestações não são dele.

8. – "Eles fazem aceitar o erro sob todas as formas; é para obter esse resultado que a madeira, a pedra, as florestas, os mananciais, o santuário de ídolos, o pé de mesas a mão de crianças tornam-se oráculos."

Qual é, pois, depois disso, o valor destas palavras do Evangelho: "Derramarei do meu espírito sobre toda a carne; vossos filhos e vossas filhas profetizarão; as pessoas jovens terão visões, e os velhos terão sonhos. – Naqueles dias, derramarei do meu Espírito sobre meus servos e sobre minhas servas, e eles profetizarão." (Atos dos Apóstolos, cap. II, vv. 17 e 18.) Não é predição da mediunidade dada a todo o mundo, mesmo às crianças, e que se realiza em nossos dias? Os Apóstolos lançaram anátema sobre essa faculdade? Não; anunciaram-na como um favor de Deus, e não como obra do demônio. Sabem os teólogos de nossos dias, sobre esse ponto, mais que os Apóstolos? Não deveriam ver o dedo de Deus no cumprimento dessas palavras?

9. – "Por meio dessas operações da magia moderna vemos se reproduzirem entre nós as evocações e os oráculos, as consultas, as curas e os sortilégios que ilustraram os templos dos ídolos e os antros das sibilas."

Onde se vêem operações de magia nas evocações espíritas? Foi-se o tempo em que se podia crer em sua eficácia, mas hoje elas são ridículas; ninguém crê nelas e o Espiritismo as condena. À época em que floresceu a magia, não havia senão uma idéia muito imperfeita sobre a natureza dos Espíritos, que se olhava como seres dotados de um poder sobre-humano; não eram chamados senão para deles se obterem, fosse mesmo ao preço de sua alma, os favores da sorte e da fortuna, a descoberta de tesouros, a revelação do futuro, ou filtros. A magia, com a ajuda dos seus sinais, fórmulas e operações cabalísticas, era tida para fornecer pretensos segredos para operar prodígios, obrigar os Espíritos a se colocarem às ordens dos homens e satisfazerem-lhes os