O CÉU E O INFERNO - PRIMEIRA PARTE - DOUTRINA - CAPÍTULO X - INTERVENÇÃO DO DEMÔNIOS 1407

diz que nenhum Espírito, bom ou mau, pode vir sem essa permissão, ao passo que a Igreja atribui aos demônios o poder de transpô-la. Vai mais longe ainda, uma vez que disse que, mesmo com essa permissão, quando vêm ao chamado dos vivos, não é para se colocarem às suas ordens.

O Espírito evocado vem voluntariamente ou é constrangido a isso? – Ele obedece à vontade de Deus, quer dizer, à lei geral que rege o Universo; julga se é útil vir, e está aí, ainda, para ele, o seu livre arbítrio. O Espírito superior vem sempre quando é chamado para um fim útil; não se recusa a responder senão nos meios de pessoas pouco sérias e que tratam a coisa em brincadeira. (O Livro dos Médiuns, cap. XXV.)

– Pode o Espírito evocado recusar-se a vir ao chamado que lhe é feito? – Perfeitamente; onde estaria seu o livre arbítrio sem isso? Credes que todos os seres do Universo estejam às vossas ordens? E vós mesmos, estais obrigados a responder a todos aqueles que pronunciam vosso nome? Quando digo que pode se recusar a isso, entendo quanto ao pedido do evocador, porque um Espírito inferior pode ser constrangido a vir por um Espírito superior. (O Livro dos Médiuns, cap. XXV.)

Os espíritas estão de tal modo convencidos de que não têm poder direto sobre os Espíritos, e nada podem obter sem a permissão de Deus, que, quando chamam a um Espírito qualquer, dizem: Peço a Deus Todo-poderoso permitir a um bom Espírito se comunicar comigo; peço também ao meu anjo guardião consentir em me assistir e afastar os maus Espíritos; ou então, quando se trata de chamar um Espírito determinado: Peço a Deus Todo-poderoso permitir ao Espírito de um tal se comunicar comigo. (O Livro dos Médiuns, cap. XVII, nº 203.)

15. – As acusações lançadas pela Igreja contra a prática das evocações não concernem, pois, ao Espiritismo, uma vez que se dirigem principalmente sobre as operações da magia, com a qual não tem nada em comum; ele condena, nessas operações, o que ela mesma condena; não faz os bons Espíritos desempenharem um papel indigno deles, e, enfim, declara nada pedir e nada obter sem a permissão de Deus.

Sem dúvida, pode haver pessoas que abusam das evocações, que delas fazem um jogo, que desviam seu