O CÉU E O INFERNO - SEGUNDA PARTE - EXEMPLOS - CAPÍTULO II 1431

uma prece a Deus para pedir-lhe o poder de falar àqueles que amo, e Deus me escutou.

4. Ao cabo de quanto tempo recobrastes a lucidez de vossas idéias? – R. Ao cabo de oito horas; Deus, repito-vos, deu-me uma prova de sua bondade; julgou-me bastante digno e não saberei nunca agradecer-lhe bastante.

5. Estais bem certo de não ser mais de nosso mundo, como o constatastes? – R. Óh! certamente, não, não sou mais do vosso mundo; mas estarei sempre perto de vós, para vos proteger e vos sustentar, a fim de pregar a caridade e a abnegação que foram os guias de minha vida; e, depois, ensinarei a fé verdadeira, a fé espírita, que deve revelar a crença do justo e do bom; sou forte e muito forte, transformado, em uma palavra; não reconhecereis mais o velho enfermo, que devia tudo esquecer, deixando longe de si todo prazer, toda alegria. Eu sou Espírito; a minha pátria é o espaço, e o meu futuro, Deus, que irradia na imensidade. Bem que gostaria de poder falar aos meus filhos, porque lhes ensinaria o que sempre tiveram a má vontade de não crerem.

6. Que efeito vos produziu a visão do corpo, aqui ao lado? – R. Meu corpo, pobre e ínfimo despojo, deve ir ao pó, e guardo a boa lembrança de todos aqueles que me estimaram. Olho essa pobre carne deformada, morada de meu Espírito, prova de tantos anos! Obrigado, meu pobre corpo! Purificastes meu Espírito, e o sofrimento, dez vezes santo, deu-me um lugar bem meritório, uma vez que encontro imediatamente a faculdade de vos falar.

7. Conservastes as vossas idéias até o último momento? – R. Sim, o meu Espírito conservou as suas faculdades; eu não via mais, mas pressentia; toda a minha vida se desenrolou diante de minha lembrança, e o meu último pensamento, o meu último pedido foi de poder vos falar, o que fiz; e depois, pedi a Deus vos proteger, a fim de que o sonho de minha vida se realizasse.

8. Tivestes consciência do momento em que o vosso Espírito deu o último suspiro? O que se passou nesse momento? Que sensação experimentastes? – R. A vida se interrompe e a visão, ou antes a visão do Espírito, se estende; encontra-se o vazio, o desconhecido, e, transportado não sei por qual encanto, acha-se em um mundo onde tudo é alegria e grandeza. Não sentia mais, não me dava conta e, todavia, uma felicidade inefável me enchia; não sentia mais a opressão da dor.