O CÉU E O INFERNO - SEGUNDA PARTE - EXEMPLOS - CAPÍTULO II 1465

a vos conhecer, e então tive o desejo de conversar convosco, para vos ser útil.

P. Por que, vós que éreis tão bom, tanto sofrestes? – R. Foi uma bondade do Senhor que quis, por aí, me fazer sentir duplamente o preço da minha libertação, e fazer-me avançar o mais possível nesse mundo.

P. O pensamento da morte vos foi causa de terror? – R. Não, eu tinha muita fé para isso.

P. A separação foi dolorosa? – R. Não. O que chamais o último momento nada é; não senti senão um estalido muito curto, e logo depois achei-me muito feliz por estar desembaraçado da minha miserável carcaça.

P. Que aconteceu então? – R. Tive a felicidade de ver uma quantidade de amigos virem ao meu encontro e me desejar boas vindas, notadamente aqueles que tive a satisfação de ajudar.

P. Que região habitais? Estais num planeta? – R. Tudo o que não é um planeta, é o que chamais de espaço; é ali que estou. Mas quantos degraus nessa imensidade da qual o homem não se faz uma idéia! Quantos degraus nessa escada de Jacó, que vai da Terra ao céu, quer dizer, do aviltamento da encarnação num mundo inferior como o vosso, até a depuração completa da alma! Ali onde estou, não se chega senão depois de muitas provas, o que significa de muitas encarnações.

P. Nessa conta, tivestes muitas existências? – R. Como poderia ser de outro modo? Nada há de excepcional na ordem imutável estabelecida por Deus; a recompensa não pode vir senão depois da vitória alcançada na luta; e quando a recompensa é grande, é preciso, necessáriamente, que a luta também o fora. Mas a vida humana é tão curta que a luta não é real senão por intervalos, e esses intervalos são as diferentes existências sucessivas; ora, uma vez que estou sobre um dos degraus já elevados, é certo que alcancei essa felicidade por uma continuidade de combates, onde Deus permitiu que eu obtivesse, algumas vezes, a vitória.

P. Em que consiste a vossa felicidade? – R. Isso é mais difícil de vos fazer compreender. A felicidade, da qual gozo, é um contentamento extremo de mim mesmo; não de meus