O CÉU E O INFERNO - SEGUNDA PARTE - EXEMPLOS - CAPÍTULO II 1481

mente, aí está o vosso sustentáculo nesse mundo, a vossa esperança, a vossa salvação. "

EMMA.

O DOUTOR VIGNAL

Antigo membro da Sociedade de Paris, morto em 27 de março de 1865. Na véspera do sepultamento, um sonâmbulo muito lúcido e que vê muito bem os Espíritos, solicitado para se transportar junto dele, e dizer se o via, respondeu:

"Vejo um cadáver no qual se opera um trabalho extraordinário; dir-se-ia uma massa que se agita, e como alguma força que faz esforços para dela se liberar, mas que tem dificuldade para vencer a resistência. Eu não distingo a forma do Espírito bem determinada."

Ele foi evocado na Sociedade de Paris, em 31 de março.

P. Caro senhor Vignal, todos os vossos antigos colegas da Sociedade de Paris conservam de vós a melhor recordação, e eu em particular as excelentes relações que não cessaram entre nós. Em vos chamando em nosso meio, temos primeiro por objetivo dar-vos um testemunho de simpatia, e ficaremos muito felizes se consentirdes, ou se puderdes vir conversar conosco. – R. Caro amigo e digno mestre, a vossa boa lembrança e os vossos testemunhos de simpatia me são muito sensíveis. Se hoje posso vir a vós, e assistir livre e desligado a esta reunião de todos os nossos bons amigos e irmãos espíritas, é graças ao vosso bom pensamento e à assistência que as vossas preces me trouxeram. Como o dizia com justeza o meu jovem secretário, eu estava impaciente para me comunicar; desde o começo desta noite, empreguei todas as minhas forças espirituais para dominar esse desejo; vossas conversas e as graves questões que agitastes, em me interessando vivamente, tornaram a minha espera menos penosa. Perdoai, caro amigo, mas meu reconhecimento pedia para se manifestar.

P. Quereis nos dizer primeiro como vos encontrais no mundo dos Espíritos. Ao mesmo tempo, quereis nos descrever o trabalho da separação, as vossas sensações naquele momento, e dizer-nos ao cabo de quanto tempo vos reconhecestes? – R. Estou tão feliz quanto se pode sê-lo, quando se vê confirmarem-se plenamente todos os