O CÉU E O INFERNO - SEGUNDA PARTE - EXEMPLOS - CAPÍTULO III 1491

homens; é necessário, antes de tudo, não ter transgredido as leis divinas.

O homem honesto diante de Deus é aquele que, cheio de devotamento e de amor, consagra a sua vida ao bem, ao progresso de seus semelhantes; aquele que, animado de um zelo haurido no objetivo, é ativo na vida; ativo para cumprir a tarefa material que lhe foi imposta, porque deve ensinar aos seus irmãos o amor ao trabalho; ativo nas boas obras, porque não deve esquecer que é apenas um servidor ao qual o senhor pedirá contas, um dia, do emprego de seu tempo; ativo no objetivo, porque deve pregar, pelo exemplo, o amor ao Senhor e ao próximo. O homem honesto diante de Deus deve evitar com cuidado essas palavras mordazes, veneno escondido sob flores, que destroem as reputações e, freqüentemente, matam o homem moral cobrindo-o de ridículo. O homem honesto diante de Deus deve ter sempre o coração fechado à menor levedura do orgulho, da inveja, da ambição. Deve ser paciente e doce para com aqueles que o atacam; deve perdoar, do fundo do seu coração, sem esforços e, sobretudo, sem ostentação, a quem quer que o haja ofendido; deve amar o seu criador em todas as suas criaturas; enfim, deve pôr em prática este resumo tão conciso e tão grande dos deveres do homem: amar a Deus acima de todas as coisas e ao seu próximo como a si mesmo.

Eis, querida criança, com pouca diferença, o que deve ser o homem honesto diante de Deus. Pois bem! Eu fiz tudo isso? Não; faltei a muitas dessas condições, eu o confesso aqui sem corar; não tive uma atividade que o homem deve ter; o esquecimento do Senhor me arrastou a outros esquecimentos que, por não serem passíveis das leis humanas, não são menos prevaricações às leis de Deus. Sofri bastante com isso quando o senti; eis porque espero hoje, mas com a consoladora esperança na bondade de Deus que vê o meu arrependimento. Conta-lhes, cara criança; repete àqueles que têm a consciência pesada: que cubram as suas faltas à força de boas obras, e a misericórdia divina se deterá na superfície; seus olhos paternais contarão as expiações, e a sua mão poderosa apagará as faltas.

SRA. HÉLÈNE MICHEL

Jovem de vinte e cinco anos, morta subitamente em