O LIVRO DOS ESPÍRITOS - LIVRO II - CAP. IV - PLURALIDADE DAS EXISTÊNCIAS 150

- São Espíritos simpáticos, atraídos pela semelhança de suas tendências.

208 - Os Espíritos dos pais não exercem influência sobre o do filho, depois do nascimento?

- Uma influência muito grande; como dissemos, os Espíritos devem concorrer para o progresso uns dos outros. Muito bem! Os Espíritos dos pais têm por missão desenvolver os dos seus filhos pela educação; é para eles uma tarefa: se falharem, serão culpados.

209 - Por que de pais bons e virtuosos nascem filhos de natureza perversa? Melhor dizendo, por que as boas qualidades dos pais não atraem sempre, por simpatia, um bom Espírito para lhes animar o filho?

- Um mau Espírito pode pedir pais bons, na esperança de que seus conselhos o encaminhem para um caminho melhor e, freqüentemente, Deus lho concede.

210 - Podem os pais, por seus pensamentos e preces, atrair para o corpo do filho um bom Espírito, de preferência a um Espírito inferior?

- Não, mas podem melhorar o Espírito do filho a que deram nascimento e que lhes foi confiado; é seu dever. Os maus filhos são uma prova para os pais.

211 - De onde provêm a semelhança de caráter que existe, muitas vezes, entre dois irmãos, sobretudo se gêmeos?

- São Espíritos simpáticos que se aproximam pela semelhança de seus sentimentos e que são felizes por estarem juntos.

212 - Nas crianças em que os corpos estão ligados e que têm certos órgãos em comum, existem dois Espíritos, melhor dizendo, duas almas?

- Sim, mas sua semelhança, freqüentemente, faz com que pareçam apenas um, aos vossos olhos.

213 - Visto que os Espíritos encarnam como gêmeos por simpatia, de onde vem a aversão que se vê, algumas vezes, entre estes últimos?

- Não é uma regra que os gêmeos sejam Espíritos simpáticos; maus Espíritos podem querer lutar juntos no teatro da vida.