O CÉU E O INFERNO - SEGUNDA PARTE - EXEMPLOS - CAPÍTULO IV 1519

pés. Assim, reconheceu-se que era o corpo do pescador Lavic, que pereceu no dia 11 de dezembro, no barco l’ Alerte, arrebatado, diante de Trouville, por um golpe de mar. Lavic tinha a idade de quarenta e nove anos, nascido em Calais. Foi a viúva do defunto quem lhe constatou a identidade."

No dia 12 de outubro, como se conversava sobre esse acontecimento no círculo onde o Espírito se manifestou pela primeira vez,ele comunicou-se de novo, espontaneamente:

"Eu bem que sou Pascal Lavic, e tenho necessidade de vossas preces. Podeis fazer-me o bem, porque a prova que sofri foi terrível. A separação do meu Espírito do meu corpo não se fez senão quando reconheci as minhas faltas; depois não se desligara dele inteiramente; seguia-o sobre o mar, que o engolira. Orai, pois, a Deus para me perdoar; orai a ele para que me dê repouso. Orai, isso vos suplico. Que esse terrível fim, de uma existência terrestre infeliz, seja para vós um ensinamento bem grande! Deveis pensar na vida futura e não deixar de pedir a Deus a sua misericórdia. Orai por mim; tenho necessidade que Deus me tome em piedade."

PASCAL LAVIC.

FERDINAND BERTIN

Um médium, habitante do Havre, evocou o Espírito de uma pessoa que lhe era conhecida. Esse Espírito respondeu: "Quero me comunicar, mas não posso vencer o obstáculo que há entre nós; sou obrigado a deixar esses infelizes que sofrem se aproximarem de vós." Recebeu, então, espontaneamente, a comunicação seguinte:

"Estou num terrível abismo! Ajudai-me! Oh! Meu Deus, quem me tirará deste abismo?... Quem terá mão que socorre para o infeliz que o mar engoliu?... A noite é tão negra que tenho medo... Por toda parte o bramido das vagas, e nenhuma palavra amiga para me consolar e me ajudar nesse momento supremo; porque esta noite profunda é a morte com todo o seu horror, e eu não quero morrer!...Ó meu Deus! Não é a morte por vir, é a morte passada!... Estou para sempre separado daqueles que amo... Vejo o meu corpo, e o que provei há instantes não é senão a lembrança da horrível angústia da separação... Tende piedade de mim, vós que