O CÉU E O INFERNO - SEGUNDA PARTE - EXEMPLOS - CAPÍTULO V 1545

sofrerão o duplo suplício do pressentimento e do desejo. Cumprida a expiação, estarão reunidos para sempre no seio do eterno amor. Em oito dias, na vossa próxima sessão, podereis evocá-los; eles virão, mas não se verão: uma noite profunda, por muito tempo, os esconderá um ao outro."

1. Evocação da mulher. – Vedes o vosso amante, com o qual vos suicidastes? – R. Eu não vejo nada; não vejo mesmo os Espíritos que vagueiam comigo na morada que estou. Que noite! Que noite! E que véu espesso sobre a minha vista!

2. Que sensação experimentastes quando despertastes depois de vossa morte? – R. Estranha! Eu tinha frio e eu queimava; o gelo corria em minhas veias, e o fogo estava na minha fronte! Coisa estranha, mistura inaudita! O gelo e o fogo parecendo me constranger! Pensei que iria sucumbir por uma segunda vez.

3. Sentistes uma dor física? – R. Todo o meu sofrimento lá está, e lá. – Que quereis dizer com esse lá e lá? Lá, no meu cérebro; lá, no meu coração.

É provável que, se se pudesse ver o Espírito, tê-lo-ia visto levando a mão à sua fronte e ao seu coração.

4. Credes que estareis sempre nessa situação? – R. Oh! Sempre , sempre! Por vezes, ouço risos infernais, e vozes apavorantes que me uivam estas palavras: "Sempre assim!"

5. Pois bem! Podemos vos dizer, com toda a segurança, que não o será sempre assim; em vos arrependendo, obtereis o vosso perdão. – R. Que dissestes? Não ouço.

6. Eu vos repito que os vossos sofrimentos terão um fim, que podereis apressar com o vosso arrependimento e nisso vos ajudaremos pela prece. – R. Não ouvi senão uma palavra e vagos sons; essa palavra, é graça! É graça! que quisestes falar? Falastes de graça: sem dúvida, é a alma que passa ao meu lado, pobre criança que chora e que espera.

Uma senhora da Sociedade disse que acaba de dirigir uma prece a Deus, para essa infortunada, e que, sem dúvida, foi isso que a marcou; que, com efeito, mentalmente implorara para ela a graça de Deus.