O CÉU E O INFERNO - SEGUNDA PARTE - EXEMPLOS - CAPÍTULO VI 1563

6. Tratai de vos tranqüilizar. – R. Eu não posso, uma vez que sou louco... Esperai! Vou fazer voltar toda a minha lucidez.

7. Se orardes, isso poderá vos ajudar a reunir as vossas idéias? – R. Eu temo... não ouso pedir.

8. Orai, grande é a misericórdia de Deus! Oraremos convosco. – R. Sim, a misericórdia de Deus é infinita; sempre o acreditei.

9. Agora, dai-vos melhor conta de vossa posição? – R. É tão extraordinária que não posso ainda dar-me conta.

10. Vedes a vossa vítima? – R. Parece-me ouvir uma voz, parecida com a sua, e que me diz: Eu não te quero mais... mas é um efeito da minha imaginação!... Eu estou louco, vos digo, porque vejo o meu próprio corpo de um lado e a minha cabeça de outro... e, entretanto, parece-me que vivo, mas no espaço, entre a Terra e o que chamais céu... Sinto mesmo o frio de um cutelo caindo sobre o meu pescoço... mas é pelo medo que tenho de morrer... parece-me que vejo quantidade de Espíritos ao meu redor, mas olhando com compaixão... eles conversam comigo, mas não os compreendo.

11. Entre esses Espíritos há algum cuja presença vos humilhe por causa de vosso crime? – R. Eu vos direi que não há senão um que temo, aquele que feri.

12. Lembrai-vos de vossas existências anteriores? – R. Não, estou no vago... creio sonhar... uma outra vez; é necessário que eu me reconheça.

13. (Três dias mais tarde.) Reconhecei-vos melhor agora? – R. Sei agora que não sou mais desse mundo, e não o lamento. Lamento o que fiz, mas o meu Espírito está mais livre; sei melhor que há uma série de existências que nos dão os conhecimentos úteis para nos tornarmos perfeitos tanto quanto a criatura o possa.

14. Fostes punido pelo crime que cometestes? – R. Sim; lamento o que fiz e sofro por isso.

15. De que maneira fostes punido? – R. Dele sou punido, porque reconheço a minha falta e dela peço perdão a Deus; sou punido pela consciência de minha falta de fé em Deus, e porque sei agora que não devemos cortar os dias de