O CÉU E O INFERNO - SEGUNDA PARTE - EXEMPLOS - CAPÍTULO VI 1570

20. Não tivestes a vontade de me fazer escrever? – R. Não, sou eu quem escreve, tu pensas por mim.

21. Tratai de vos dar conta; os bons Espíritos, que vos cercam, nisso vos ajudarão. – R. Não, os anjos não vêm para esse inferno. Tu não estás só? – Vede ao vosso redor. – R. Sinto que me ajudam a pensar em ti... Tua mão me obedece... Eu não toco em ti, e eu te tomo... Não compreendo.

22. Pedi assistência de vossos protetores; iremos orar juntos. – R. Queres me deixar? Fique comigo; eles vão me retomar. Peço-te isso, fica! Fica!

23. Eu não posso permanecer por muito tempo. Retornai todos os dias; oraremos juntos e os bons Espíritos vos ajudarão. – R. Sim, quero a minha graça. Pedi por mim; eu, eu não posso.

O guia do médium. Coragem, meu filho; ser-lhe-á concedido o que pedes, mas a expiação ainda está longe de terminar. As atrocidades que cometeu são sem nome e sem número, e é tanto mais culpado porque tinha a inteligência, a instrução e a luz para se guiar. Faliu, pois, com conhecimento de causa; também os seus sofrimentos são terríveis; mas com o socorro da prece eles se abrandarão, porque verá o fim possível, e a esperança o sustentará. Deus o vê no caminho do arrependimento, ele deu a graça de poder se comunicar, a fim de que seja encorajado e sustentado. Pensa, pois, freqüentemente, nele; deixamo-lo contigo para fortificar-se nas boas resoluções que poderá tomar, com a ajuda de teus conselhos. Ao arrependimento, sucederá nele o desejo da reparação; será então que ele mesmo pedirá uma nova existência, sobre a Terra, para praticar o bem no lugar do mal que fez, e quando Deus estiver satisfeito com ele, e vê-lo bem fortalecido, fá-lo-á entrever as divinas claridades que o conduzirão ao porto da salvação, e recebê-lo-á em seu seio, como o filho pródigo. Tem confiança, nós te ajudaremos a cumprir a tua obra.

PAULIN.

Colocamos este Espírito entre os criminosos, se bem que não tenha sido atingido pela justiça humana, porque o crime consiste nos atos, e não no castigo infligido pelos homens. Ocorre o mesmo com o seguinte.