O CÉU E O INFERNO - SEGUNDA PARTE - EXEMPLOS - CAPÍTULO VI 1571

O ESPÍRITO DE CASTELNAUDARY

Numa pequena casa, perto de Castelnaudary, ocorreram ruídos estranhos e diversas manifestações que a fizeram considerar assombrada por algum mau gênio. Por esse fato, ela foi exorcizada em 1848, sem resultado. O proprietário, o Sr. D..., querendo habitá-la, aí morreu subitamente alguns anos depois; seu filho, que quis habitá-la em seguida, recebeu um dia, entrando em seu quarto, um violento tapa dado por mão desconhecida; como estava perfeitamente só, não pôde duvidar que lhe veio de uma fonte oculta, e foi por isso que resolveu deixá-la definitivamente. Há, no lugar, uma tradição segundo a qual um grande crime fora cometido nessa casa.

O Espírito que deu o tapa, tendo sido evocado na Sociedade de Paris, em 1859, manifestou-se por sinais de violência; todos os esforços para acalmá-lo foram improdutivos.  São Luís,  interrogado a esse respeito,  respondeu: "É um Espírito da pior espécie, um verdadeiro monstro; fizemo-lo vir,  mas não pudemos constrangê-lo a escrever, apesar de tudo que lhe foi dito; tem o seu livre arbítrio. Dele, o infeliz faz um triste uso.

P. Este Espírito é suscetível de melhorar-se? – R. Por que não? Não o são todos, este como os outros? Entretanto, é necessário esperar encontrar dificuldade; mas por perverso que seja, o mal, retribuído  com o bem, acabará por tocá-lo. Que se ore primeiro, e que seja evocado em um mês, podereis julgar a mudança que nele se operará.

O Espírito, evocado de novo mais tarde, mostrou-se mais tratável, depois pouco a pouco submisso e arrependido. Das explicações fornecidas por ele, e por outros Espíritos, resultou que, em 1608, habitava essa casa, onde assassinou o seu irmão por suspeita de ciumenta rivalidade, ferindo-lhe a garganta, enquanto dormia, e alguns anos depois, aquela de quem fizera sua mulher, depois da morte de seu irmão. Morreu em 1659, com a idade de 80 anos, sem ser perseguido por essas mortes, às quais se davam pouca atenção nesses tempos de confusão. Depois de sua morte, não cessou de procurar fazer o mal, e provocou vários acidentes causados nessa casa. Um médium vidente, que assistiu à primeira evocação, viu-o no momento em que se quis fazê-lo escrever;