O CÉU E O INFERNO - SEGUNDA PARTE - EXEMPLOS - CAPÍTULO VI 1573

punido do mesmo modo? – R. Foi menos punido, porque, mais ignorante, compreendia-lhe menos a importância.

8. O estado em que se encontra esse Espírito é o daqueles seres vulgarmente chamados condenados? – R. Absolutamente; há outros bem mais horríveis ainda. Os

sofrimentos estão longe de ser os mesmos para todos, mesmo para crimes semelhantes, porque variam segundo o culpado seja mais ou menos acessível ao arrependimento. Para este, a casa onde cometeu seu crime é o seu inferno; outros o carregam consigo, pelas paixões que os atormentam e que não podem satisfazer.

9. Este Espírito, apesar de sua inferioridade, sente os bons efeitos da prece; vimos a mesma coisa para outros Espíritos, igualmente perversos e da mais bruta natureza; como ocorre que, Espíritos mais esclarecidos, de uma inteligência mais desenvolvida, mostrem uma ausência completa de bons sentimentos; que se riem de tudo o que há de mais sagrado; em uma palavra, que nada os toca, e que não haja neles nenhuma trégua em seu cinismo? – R. A prece não tem efeito senão em favor do Espírito que se arrepende; aquele que, impelido pelo orgulho, se revolta contra Deus e persiste em seus desvios, exagerando-os ainda, como fazem os Espíritos infelizes, sobre estes a prece nada pode, e nada poderá senão no dia em que um clarão de arrependimento se manifestar neles. A ineficácia da prece, para eles, é ainda um castigo; ela não alivia senão aqueles que estão inteiramente endurecidos.

10. Quando se vê um Espírito inacessível aos bons efeitos da prece, é isto uma razão para se abster de orar por ele? – R. Não, sem dúvida, porque cedo ou tarde, poderá triunfar de seu endurecimento e fazer germinar nele os pensamentos salutares.

Ocorre o mesmo com certos doentes sobre os quais os remédios não atuam senão depois de muito tempo; o efeito não é apreciável no momento; sobre outros, ao contrário, operam prontamente. Penetrando-se nesta verdade, de que todos os Espíritos são perfectíveis, e que nenhum está eterna e fatalmente votado ao mal, compreende-se que, cedo ou tarde, a prece terá o seu efeito, e que aquela que parece ineficaz à primeira vista não deposita nele menos germes salutares que predispõe o Espírito ao bem, se ela não o tocar imediatamente. Seria, pois, um erro desencorajar-se, porque não se triunfa logo em seguida.