O CÉU E O INFERNO - SEGUNDA PARTE - EXEMPLOS - CAPÍTULO VI 1574

11. Se esse Espírito se reencarnasse, em qual categoria de indivíduos se encontraria? – R. Isso dependerá dele e do arrependimento que sentir.

Várias conversas com este Espírito introduziram nele uma notável mudança no estado moral. Eis algumas de suas respostas.

12. Ao Espírito. Por que não escrevestes a primeira vez que vos chamamos? – R. Eu não o queria.

Por que não o queríeis? – R. Ignorância e embrutecimento.

13. Podeis, pois, deixar agora, quando quereis a casa de Castelnaudary? – R. Se mo permite, porque aproveito os vossos bons conselhos.

Com isso sentis alívio? – R. Começo a esperar.

14. Se pudéssemos vos ver, sob qual aparência vos veríamos? – R. Ver-me-íeis em camisa, sem punhal. – P. Por que não teríeis mais o vosso punhal; que fizestes dele? – Eu o maldigo; Deus poupa-me a sua visão.

15. Se o Sr. D... filho (aquele que recebeu o tapa) retornasse à casa, lhe faríeis mal? – R. Não, porque estou arrependido. – P. E se quisesse ainda vos desafiar? – R. Oh! Não peça isso! Não poderia dominar-me, isso estaria acima de minhas forças... Porque não sou senão um miserável.

16. Entrevedes o fim de vossas penas? – R. Oh! Não ainda; é muito mais do que mereço saber; graças à vossa intercessão, elas não durarão sempre.

17. Quereis nos descrever a situação que estáveis antes que vos chamássemos pela primeira vez. Compreendeis que perguntamos isso para ter um meio de vos ser útil, e não por um motivo de curiosidade. – R. Eu vos disse, não tinha consciência de nada do mundo senão do meu crime, e não podia deixar a casa onde o cometi senão para me elevar no espaço, onde tudo era solidão e obscuridade; não poderia vos dar uma idéia do que é, e disso nada compreendi; desde que me elevava acima do ar, era noite, era vazio; não sei o que isso era. Hoje, sinto muito mais remorsos, e não estou mais constrangido a permanecer nessa casa fatal; é-me permitido errar sobre a Terra, e procurar esclarecer-me pelas