O CÉU E O INFERNO - SEGUNDA PARTE - EXEMPLOS - CAPÍTULO VIII 1606

P. Parece, segundo o que acabais de dizer, que os vossos sofrimentos não eram a expiação de faltas anteriores?

R. Eles não eram uma expiação direta, mas estejais seguros de que toda dor tem a sua causa justa. Aquele que conhecestes tão miserável foi belo, grande, rico e adorado; eu tinha lisonjeadores e cortesãos: eu era vão e orgulhoso. Outrora, fui bem culpado; reneguei Deus e fiz o mal ao meu próximo; mas eu expiei cruelmente, primeiro no mundo dos Espíritos e, em seguida sobre a Terra. Isso que suportei, somente durante alguns anos, nesta última e muito curta existência, sofri durante uma vida inteira até a extrema velhice. Por meu arrependimento, reentrei em graça diante do Senhor, que se dignou confiar-me várias missões, cuja última vos é conhecida. Solicitei-lhe para arrematar a minha depuração.

Adeus, meus amigos, retornarei algumas vezes entre vós. Minha missão é de consolar, e não de instruir; mas há tantos aqui, cujas feridas estão ocultas, que estarão contentes com a minha vinda.

MARCEL.

Instrução do guia do médium.

Pobre pequeno ser sofredor, raquítico, ulceroso e disforme! Quantos gemidos fazia ouvir nesse asilo de miséria e de lágrimas! E malgrado a sua tenra idade, como era resignado, e como a sua alma já compreendia o objetivo dos sofrimentos! Sentia bem que além do túmulo esperava-o uma recompensa por tantos lamentos abafados! Também, como ele orava por aqueles que não tinham, como ele, a coragem de suportar os seus males, para aqueles sobretudo que lançavam ao céu blasfêmias em lugar de preces!

Se a agonia foi longa, a hora da morte não foi terrível; os membros convulsionados se torciam sem dúvida, e mostravam aos assistentes um corpo deformado se revoltando contra a morte, a lei da carne que quer viver apesar de tudo; mas um anjo planava acima do leito do moribundo, cicatrizando o seu coração; depois tomou sobre as suas asas brancas essa alma tão bela que se escapava desse corpo informe, pronunciando estas palavras: Glória vos seja dada, ó meu Deus! E essa alma subiu para o Todo-poderoso, feliz, ela