O CÉU E O INFERNO - SEGUNDA PARTE - EXEMPLOS - CAPÍTULO VIII 1619

revi-me ali no meio de minha antiga fortuna! Essas visões me deixavam, ao despertar, um indefinível sentimento de amargura e de desgostos; mas nunca uma queixa escapou da minha boca; e quando aprouve a Deus chamar-me para ele, eu o bendisse por ter me dado a coragem de suportar, sem murmúrio, essa longa e penosa prova da qual recebo, hoje, a recompensa, e vós, minha filha, eu vos bendigo por terdes orado por mim."

Recomendamos este fato àqueles que pretendem que os homens não teriam mais freios se não tivessem mais, diante deles, o espantalho das penas eternas, e perguntamos se a perspectiva de um castigo como aquele do pai Max é menos feita para deter no caminho do mal que aquela de tortura sem fim nas quais não se crê mais.

HISTÓRIA DE UM DOMÉSTICO

Numa família de alta classe, havia um doméstico muito jovem, cuja figura, inteligente e fina, nos tocou pelo seu ar muito jovem, de distinção; nada, em suas maneiras, exalava a baixeza; a sua solicitude para o serviço dos seus senhores nada tinha dessa obsequiosidade servil própria das pessoas dessa  condição. No ano seguinte, tendo retornado a essa família, ali não mais vimos o jovem e perguntamos se fora despedido. "Não, foi-nos respondido: foi passar alguns dias em sua terra, e ali morreu. Lamentamos muito, porque era uma excelente pessoa, e que tinha sentimentos verdadeiramente acima de sua posição. Era-nos muito ligado e deu-nos provas do mais alto devotamento."

Mais tarde, veio-nos o pensamento de evocar esse jovem, e eis o que nos disse: "Na minha penúltima encarnação, eu era, como se diz na Terra, de muito boa família, mas arruinada pelas prodigalidades de meu pai. Fiquei órfão muito jovem e sem recursos. Um amigo de meu pai recolheu-me; educou-me como seu filho e fez-me dar uma bela educação da qual tirei um excesso de vaidade. Esse amigo é hoje o Sr. de G..., ao serviço do qual me vistes. Eu quis, na minha última existência, expiar o meu orgulho nascendo numa condição servil, e encontrei aí a ocasião de provar o meu devotamento ao meu benfeitor. Salvei-lhe mesmo a vida, sem que disso nunca soubesse. Era, ao mesmo tempo, uma prova da qual saí com vantagem, uma vez que tive bastante força para não me deixar corromper pelo contato de uma com-