A GÊNESE - CAPÍTULO PRIMEIRO 1663

A GÊNESE

SEGUNDO O ESPIRITISMO

CAPÍTULO PRIMEIRO

CARACTERES DA REVELAÇÃO ESPÍRITA

1. – Pode-se considerar o Espiritismo uma revelação? Neste  caso, qual é o seu caráter? Sobre o que está fundada a sua autenticidade? A quem e de que modo foi feita? A Doutrina Espírita é uma revelação, no sentido teológico da palavra, quer dizer, é, em todos os pontos, o produto de um ensinamento oculto vindo do Alto? É absoluta ou suscetível de modificações? Trazendo aos homens a verdade pronta, a revelação não teria por efeito impedi-los de fazerem uso de suas faculdades, uma vez que lhes pouparia o trabalho da pesquisa? Qual pode ser a autoridade do ensinamento dos Espíritos, se eles não são infalíveis e superiores à Humanidade? Qual a utilidade da moral que pregam, se essa moral não é outra senão a do Cristo, que se conhece? Quais são as verdades novas que nos trazem? Tem o homem necessidade de uma revelação e não pode encontrar, em si mesmo e em sua consciência, tudo que lhe é necessário para se conduzir? Tais são as questões sobre as quais importa nos fixemos.

2. – Definamos, primeiro, o sentido da palavra revelação.

Revelar, do latim revelare, cuja raiz é velum, véu, significa literalmente sair de sob o véu, e no figurado: descobrir, fazer conhecer uma coisa secreta ou desconhecida. Em sua acepção vulgar, a mais geral, diz-se de toda coisa ignorada que vem à luz, de toda idéia nova que se co loca na pista daquilo que não se conhecia.

Deste ponto de vista, todas as ciências que nos dão a conhecer os mistérios da Natureza são revelações, e pode-