A GÊNESE - CAPÍTULO PRIMEIRO 1664

se dizer que há, para nós, revelação incessante; a Astronomia nos revelou o mundo astral, que não conhecíamos; a Geologia, a formação da Terra; a Química, as leis da afinidade; a Fisiologia, as funções do organismo, etc.; Copérnico, Galileu, Newton, Laplace, Lavoisier são reveladores.

3. – O caráter essencial de toda revelação deve ser a verdade. Revelar um segredo, é dar a conhecer um fato; se a coisa é falsa, não é um fato e, por conseqüência, não há revelação. Toda revelação desmentida pelos fatos não é revelação; se é atribuída a Deus, e Deus não podendo nem mentir e nem enganar, ela não pode emanar dele; é preciso considerá-la como produto de uma concepção humana.

4. – Qual é o papel do professor, diante de seus alunos, se não o é de um revelador? Ensina-lhes o que não sabem, o que não teriam nem tempo e nem possibilidade de descobrirem por si mesmos, porque a ciência é a obra coletiva dos séculos e de uma multidão de homens que deram, cada um, o seu contingente de observações, e das quais se aproveitam aqueles que vêm após eles. O ensinamento é, pois, em realidade, a revelação de certas verdades científicas ou morais, físicas ou metafísicas, feitas por homens que as conhecem a outros que as ignoram, e que, sem isso, as teriam sempre ignorado.

5. – Mas o professor não ensina senão o que aprendeu: é um revelador de segunda ordem; o homem de gênio ensina o que descobriu por si mesmo: é o revelador primitivo; produz a luz que, gradualmente, se vulgariza. Onde estaria a Humanidade sem a revelação dos homens de gênio, que aparecem de tempos em tempos?

Mas, o que são os homens de gênio? Por que são homens de gênio? De onde vêm? Em que se convertem? Notemos   que, a maior parte, traz, em nascendo, faculdades transcendentais e conhecimentos inatos, que um pouco de trabalho basta para desenvolver. Pertencem, realmente, à Humanidade, uma vez que nascem, vivem e morrem como nós. Onde, pois, haurem esses conhecimentos que não puderam adquirir em sua vida? Dir-se-á, como os materialistas, que o acaso lhes deu a matéria cerebral  em maior quantidade, e de melhor quantidade?  Neste caso, não teriam mais mérito do que um legume maior e mais saboroso do que um outro.