A GÊNESE - CAPÍTULO PRIMEIRO 1665

Dir-se-á, com certos espiritualistas, que Deus os dotou, de uma alma mais favorecida do que a do homem comum? Suposição inteiramente ilógica, uma vez que acusaria Deus de parcialidade. A única solução racional desse problema está na preexistência da alma e na pluralidade as existências. O homem de gênio é um Espírito que viveu por mais tempo; que, por conseqüência, mais adquiriu e progrediu mais do que aqueles que estão menos avançados. Em se encarnando, traz o que sabe, e como sabe muito mais do que os outros, sem ter necessidade de aprender, é o que se chama um homem de gênio. Mas o que sabe não deixa de ser o fruto de um trabalho anterior, e não o resultado de um privilégio. Antes de nascer, era, pois, Espírito adiantado; ele se reencarna, seja para fazer os outros aproveitarem o que sabe, seja para adquirir mais.

Os homens progridem, incontestavelmente, por si mesmos e pelos esforços de sua inteligência; mas, entregues às suas próprias forças, esse progresso é muito lento, se não são ajudados por homens mais avançados, como o escolar o é por seus professores. Todos os povos tiveram os seus homens de gênio, que viveram, em diversas épocas, para dar-lhes impulso e tirá-los da inércia.

6. – Desde que se admite a solicitude de Deus para com suas criaturas, por que não se admitir que Espíritos capazes, pela sua energia e a superioridade de seus conhecimentos de fazer a Humanidade avançar, se encarnem, pela vontade de Deus, tendo em vista ajudarem o progresso em um sentido determinado; que recebam uma missão igual a um embaixador que recebe uma de seu soberano? Tal é o papel dos grandes gênios. Que vêm fazer, senão ensinar aos homens as verdades que estes ignoram, e que teriam ignorado ainda durante longos períodos, a fim de lhes dar um impulso com a ajuda do qual possam se elevar mais rapidamente? Esses gênios, que aparecem através dos séculos como estrelas brilhantes, que deixam, depois deles, um longo rastro luminoso na Humanidade, são missionários, ou, se o quiserem, messias. As coisas novas que ensinam aos homens, seja na ordem física, seja na ordem filosófica, são revelações.

Se  Deus  suscita  reveladores  para as verdades