A GÊNESE - CAPÍTULO PRIMEIRO 1667

Evangelho Segundo o Espiritismo: Haverá falsos Cristos e falsos profetas."

9. – Há revelações diretas de Deus para os homens? É uma pergunta que não ousaríamos resolver, nem afirmativa nem negativamente, de maneira absoluta. Isso não é radicalmente impossível, mas nada nos dá a sua prova certa. O que não poderia ser duvidoso, é que os Espíritos, os mais próximos de Deus pela perfeição, se penetram de seu pensamento e podem transmiti-lo. Quanto aos reveladores encarnados, segundo a ordem hierárquica à qual pertençam e o grau de seu saber pessoal, podem haurir suas instruções em seus próprios conhecimentos, ou recebê-las de Espíritos mais elevados, até mesmo dos mensageiros diretos de Deus. Estes, falando em nome de Deus, puderam ser, por vezes, tomados pelo próprio Deus.

Essas espécies de comunicações nada têm de estranhas para quem conhece os fenômenos espíritas, e a maneira pela qual se estabelecem as relações entre os encarnados e os desencarnados. As instruções podem ser transmitidas por diversos meios: pela inspiração pura e simples, pela audição da palavra, pela contemplação dos Espíritos instrutores nas visões e aparições, seja em sonho, seja no estado de vigília, como se vêem muitos exemplos delas na Bíblia, no Evangelho e nos livros sagrados de todos os povos. É, pois, rigorosamente exato dizer que a maioria dos reveladores são médiuns inspirados, audientes ou videntes; de onde não se segue que todos os médiuns sejam reveladores, e ainda menos intermediários diretos da Divindade ou de seus mensageiros.

10. – Somente os Espíritos puros recebem a palavra de Deus com a missão de transmiti-la; mas sabe-se agora que os Espíritos estão longe de ser todos perfeitos, e que existem os que se apresentam sob falsas aparências; isso foi o que levou São João a dizer: "Não creiais em todo Espírito, mas vede antes se os Espíritos são de Deus." (Ep. 1ª, cap. IV, v. 4).

Pode, pois, haver revelações sérias e verdadeiras, como as há apócrifas e mentirosas. O caráter da revelação divina é o da eterna verdade. Toda revelação maculada pelo erro ou sujeita a mudanças não pode emanar de Deus. Assim é que a lei do Decálogo tem todos os caracteres de sua