A GÊNESE - CAPÍTULO PRIMEIRO 1672

olhar que certas pessoas acharam indiscreto, os planetas nos apareceram como simples mundos semelhantes ao nosso, e todo o alicerce do maravilhoso desabou.

Ocorre o mesmo com o Espiritismo, em relação à magia e à feitiçaria; estas se apoiavam também sobre a manifestação dos Espíritos, como a astrologia sobre o movimento dos astros; mas, na ignorância das leis que regem o mundo espiritual, misturavam, a essas relações, práticas e crenças ridículas, às quais o Espiritismo moderno, fruto da experiência e da observação, mostrou a verdade. Seguramente, a distância que separa o Espiritismo da magia e da feitiçaria é maior do que a que existe entre a astronomia e a astrologia, a química e a alquimia; querer confundi-las é provar não saber delas nem a primeira palavra.

20. – Só o fato da possibilidade de comunicar-se com os seres do mundo espiritual tem conseqüências incalculáveis da mais alta gravidade; é todo um mundo novo que se nos revela, e que tem tanto mais importância quanto atinge a todos os homens, sem exceção. Esse conhecimento não pode deixar de trazer, em se generalizando, uma modificação profunda nos costumes, no caráter, nos hábitos e nas crenças que têm tão grande influência sobre as relações sociais. É toda uma revolução que se opera nas idéias, revolução tanto maior, quanto mais poderosa, quando não está circunscrita a um povo, a uma casta, mas que atinge, simultaneamente, pelo coração, todas as classes, todas as nacionalidades, todos os cultos.

É, pois, com razão que o Espiritismo é considerado a terceira das grandes revelações. Vejamos no que essas revelações diferem, e por que laço se ligam uma à outra.

21. – MOISÉS, na qualidade de profeta, revelou aos homens   o conhecimento de um Deus único, soberano, senhor e Criador de  todas  as  coisas;  promulgou a lei do Sinai e lançou os fundamentos da verdadeira fé; na qualidade de homem, foi o legislador do povo pelo qual essa lei primitiva, se depurando, deveria um dia se difundir por sobre toda a Terra.

22. – O CRISTO, tomando da lei antiga o que era eterno e divino, e rejeitando o que não era senão transitório, puramente disciplinar e de concepção humana, acrescentou a revelação da vida futura, da qual Moisés não havia falado,