O LIVRO DOS ESPÍRITOS - LIVRO II - CAP. VI - VIDA ESPÍRITA 168

239 – Os Espíritos conhecem o princípio das coisas?

– Conhecem segundo a sua elevação e a sua pureza; os Espíritos inferiores a esse respeito, não sabem mais que os homens.

240 – Os Espíritos compreendem o tempo como nós?

– Não, e é por isto que não nos compreendeis sempre, quando se trata de fixar datas ou épocas.

Os Espíritos vivem fora do tempo, tal como o compreendemos; o tempo para eles se anula, por assim dizer, e os séculos, tão longos para nós, não são aos seus olhos senão instantes que se esvaecem na eternidade, da mesma forma que as desigualdades do solo se apagam e desaparecem para aqueles que se elevam no espaço.

241 – Os Espíritos têm do presente uma idéia mais precisa e mais justa que nós?

– Do mesmo modo que aquele que vê claramente as coisas tem uma idéia mais justa do que o cego. Os Espíritos vêem o que não vedes; eles julgam, pois, de outro modo que vós, mas ainda uma vez, isto depende da sua elevação.

242 – Como é que os Espíritos têm conhecimento do passado? Esse conhecimento lhes é limitado?

– O passado, quando nos ocupamos dele, é presente; precisamente como te recordas de uma coisa que te impressionou durante o teu exílio. Entretanto, como não temos mais o véu material que obscurece a tua inteligência, lembramo-nos de coisas que se apagam para a tua memória, mas os Espíri-tos não conhecem tudo, a começar pela sua própria criação.

243 – Os Espíritos conhecem o futuro?

– Isto depende ainda de sua perfeição; freqüentemente, eles apenas o entrevêem, mas nem sempre têm a permissão de o revelar.

Quando o vêem, parece-lhes presente. O Espírito vê o futuro mais claramente, à medida que se aproxima de Deus. Depois da morte, a alma vê e abrange, de um golpe de vista, suas migrações passadas, mas não pode ver o que Deus lhe reserva; para isso, é necessário que esteja integrada nele, depois de muitas existências.

– Os Espíritos que alcançaram a perfeição absoluta têm o conhecimento completo do futuro?