O LIVRO DOS ESPÍRITOS - LIVRO II - CAP. VI - VIDA ESPÍRITA 169

– Completo não é a palavra, porque só Deus é soberano senhor e ninguém o pode igualar.

244 – Os Espíritos vêem a Deus?

– Só os Espíritos superiores o vêem e o compreendem; os Espíritos inferiores o sentem e o adivinham.

– Quando um Espírito inferior diz que Deus lhe proíbe ou lhe permite uma coisa, como sabe que a ordem vem de Deus?

– Ele não vê a Deus, mas sente a sua soberania e, quando uma coisa não deve ser feita ou uma palavra não deve ser dita, ele pressente como por uma intuição, uma advertência invisível que o proíbe de fazê-lo. Vós mesmos não tendes pressentimentos, que são como uma advertência secreta, de fazer, ou não, alguma coisa? Ocorre o mesmo para nós, somente que num grau superior, porque como compreendes, sendo a essência dos Espíritos mais sutil que a tua, eles podem melhor receber as advertências divinas.

– A ordem é transmitida diretamente por Deus ou por intermédio de outros Espíritos?

– Ela não vem diretamente de Deus; para comunicar-se com ele é preciso ser digno. Deus lhes transmite suas ordens pelos Espíritos mais elevados em perfeição e em instrução.

245 – A visão dos Espíritos é circunscrita como nos seres corpóreos?

– Não, ela reside neles.

246 – Os Espíritos têm necessidade da luz para ver?

– Vêem por si mesmos, não têm necessidade da luz exterior; para eles não há trevas, a não ser aquelas em que se encontram por expiação.

247 – Os Espíritos têm necessidade de se transportarem para ver dois lugares diferentes? Podem, por  exemplo, ver simultaneamente os dois hemisférios do globo?

– Como o Espírito se transporta com a rapidez do pensamento, pode-se dizer que vê tudo a uma só vez; seu pensamento pode irradiar e se dirigir, ao mesmo tempo, sobre vários pontos diferentes. Esta faculdade depende de sua