A GÊNESE - CAPÍTULO QUARTO 1728

12. – Esta questão, todavia, é para o homem a mais importante, por dizer respeito ao problema de seu passado e de seu futuro; a do mundo material não o toca senão indiretamente. O que lhe importa, antes de tudo, é saber de onde vem, para onde vai; se já viveu, e se viverá ainda, e qual sorte lhe está reservada.

Sobre todas essas questões, a ciência está muda. A filosofia não dá senão opiniões que concluem em sentido diametralmente oposto, mas ao menos permite discutir, o que faz com que muita gente se anime de seu lado, de preferência ao da religião que não discute.

13. – Todas as religiões estão de acordo sobre o princípio da existência da alma, sem, todavia, demonstrá-lo; mas não se põem de acordo nem sobre a sua origem, nem sobre o seu passado, nem sobre o seu futuro, sobretudo, nem naquilo que é essencial, sobre as condições das quais depende a sua sorte futura. Elas fazem, na maioria, de seu futuro um quadro imposto à crença de seus adeptos, que não pode ser aceito senão pela fé cega, mas não pode suportar um exame sério. O destino que dão à alma, estando ligado, em seus dogmas, às idéias que se fizeram do mundo material e do mecanismo do Universo nos tempos primitivos, é inconciliável com o estado dos conhecimentos atuais. Não podendo, pois, senão perder ao exame e à discussão, acham mais simples proscrever um e outro.

14. – Dessas divergências, relativas ao futuro do homem nasceram a dúvida e a incredulidade. Todavia, a incredulidade deixa um vazio penoso; o homem encara com ansiedade o desconhecido onde, cedo ou tarde, deverá entrar fatalmente; a idéia do nada gela-o; a sua consciência lhe diz que, além do presente, há para ele alguma coisa; mas, o quê? Sua razão desenvolvida não lhe permite mais aceitar as histórias que embalaram a sua infância, tomar a alegoria pela realidade. Qual é o sentido dessa alegoria? A ciência rasgou um canto do véu, mas não lhe revelou o que mais importa saber. Ele interroga em vão, ninguém lhe responde de maneira peremptória e própria para acalmar as suas apreensões; por toda parte encontra a afirmação se chocando contra a negação, sem provas mais positivas, de uma parte e da outra; daí a incerteza, e a incerteza, sobre as coisas da vida futura, faz com que o homem se arroje, com um certo frenesi, sobre as coisas da vida material.