A GÊNESE - CAPÍTULO QUINTO 1735

160 anos antes de Jesus Cristo, Hiparco, de Alexandria (Egito), inventa o astrolábio, calcula e prediz os eclipses, observa as manchas solares, determina o ano trópico, a duração das revoluções da Lua.

Por preciosas que fossem essas descobertas para o progresso da ciência, necessitaram quase 2000 anos para se popularizarem. As idéias novas, não tendo, então, para se propagarem, senão raros manuscritos, permaneceram o quinhão de alguns filósofos, que as ensinavam aos discípulos privilegiados; as massas, que ninguém cuidava de esclarecer, delas nada aproveitaram, e continuaram a nutrir-se das velhas crenças.

11. – Perto do ano 140, da era cristã, Ptolomeu, um dos homens mais ilustres da escola de Alexandria, combinando as suas próprias idéias com as crenças vulgares e algumas das mais recentes descobertas astronômicas, compõe um sistema que se pode chamar misto, que leva o seu nome, e que, durante quase quinze séculos, foi o único adotado no mundo civilizado.

Segundo o sistema de Ptolomeu, a Terra é uma esfera no centro do Universo; ela se compõe de quatro elementos: a terra, a água, o ar e o fogo. Era a primeira região, dita elementar. A segunda região, dita etérea, compreendia onze céus ou esferas concêntricas, girando ao redor da Terra, a saber:  o céu da Lua, o de Mercúrio, de Vênus, do Sol, de Marte, de Júpiter, de Saturno, das estrelas fixas, do primeiro cristalino, esfera sólida transparente; do segundo cristalino, e, enfim, do primeiro móvel que dá o movimento a todos os céus inferiores, e os leva a fazerem uma revolução em vinte e quatro horas. Além dos onze céus, estava o Empíreo, morada dos felizes, assim chamada do grego pyr que significa fogo, porque se acreditava essa região resplandecente de luz como o fogo.

A crença em vários céus superpostos prevaleceu por longo tempo; mas, variava-se sobre o número; o sétimo era, geralmente, considerado o mais elevado; daí, a expressão: Ser arrebatado ao sétimo céu. São Paulo disse que tinha sido elevado ao terceiro céu.

Independentemente do movimento comum, os astros tinham, segundo Ptolomeu, movimentos próprios, mais ou menos consideráveis, segundo a sua distância do centro.