A GÊNESE - CAPÍTULO QUINTO 1736

As estrelas fixas faziam uma revolução em 25.816 anos. Esta última avaliação denota o conhecimento da precisão dos equinócios, que se realiza, com efeito, em 25.860 anos.

12. – No começo do décimo sexto século, Copérnico, célebre astrônomo, nascido em Thorn (Prússia), em 1472, morto em 1543, repete as idéias de Pitágoras; publica um sistema que, confirmado, cada dia, pelas novas observações, foi favoravelmente acolhido, e não tardou em derrubar o de Ptolomeu. Segundo esse sistema, o Sol está no centro, os planetas descrevem órbitas circulares ao redor deste astro; a Lua é um satélite da Terra.

Um século mais tarde, em 1609, Galileu, nascido em Florença,  inventa o  telescópio;  em  1610, descobre os quatro satélites de Júpiter e calcula as suas revoluções; reconhece que os planetas não têm luz própria, como as estrelas, mas que são iluminadas pelo Sol; que eles são esferas semelhantes à Terra; observa as suas fases, determina a duração da sua rotação, sobre o seu eixo; dá, assim, com provas materiais, uma sanção definitiva ao sistema de Copérnico.

Desde então, desmorona o alicerce dos céus superpostos; os planetas foram reconhecidos por mundos semelhantes à Terra, e, como ela, sem dúvida, habitados; as estrelas por inumeráveis sóis, centros prováveis de outros tantos sistemas planetários; e o Sol, ele mesmo, foi reconhecido por estrela, centro de um turbilhão de planetas que lhe estão sujeitos.

As estrelas não estão mais confinadas numa zona da esfera celeste, mas irregularmente disseminadas no espaço  sem  limites; as que parecem se tocar estão a distâncias incomensuráveis uma das outras; as menores, em aparência, são as mais distantes de nós; as mais gordas, as que  estão mais perto, estão, ainda, a centenas de milhares de léguas.

Os grupos a que se deu o nome de constelações não são senão conjuntos aparentes causados pela distância; suas figuras são efeitos de perspectiva, como se formam para a visão daquele que está colocado em um ponto fixo de luzes dispersas em uma vasta planície, ou as árvores de uma floresta; mas esses conjuntos não existem em realidade; se se pudesse se transportar para a região de uma dessas constelações, à medida que se aproximasse, a forma desapareceria e novos grupos se desenhariam à visão.