A GÊNESE - CAPÍTULO SEXTO 1743

substâncias que compõem o mundo. Entre os objetos que a arte ou a Natureza fazem, diariamente, passar sob o nosso olhar, existem dois que acusem uma identidade perfeita, ou somente uma igualdade de composição? Quanta dessemelhança, sob o ponto de vista da solidez, da compressibilidade, do peso e das múltiplas propriedades dos corpos, entre o gás atmosférico e o fio de ouro; entre a molécula aquosa da nuvem e a do mineral que forma o arcabouço ósseo do globo! quanta diversidade entre o tecido químico das plantas variadas, que adornam o reino vegetal, e dos representantes, não menos numerosos, da animalidade sobre a Terra!

Entretanto, podemos colocar, como princípio absoluto, que todas as substâncias, conhecidas e desconhecidas, por mais dessemelhantes que pareçam, seja sob o ponto de vista da sua constituição íntima, seja sob o aspecto da sua ação recíproca, não são, de fato, mais do que modos diversos sob os quais a matéria se apresenta; senão variedades, nas quais se transformam, sob a direção das forças inumeráveis que a governam.

4. – A química, cujos progressos foram tão rápidos, depois da minha época, onde os próprios adeptos a relegam, ainda, no domínio secreto da magia, essa nova ciência que se pode, a justo título, considerar como criança do século observador, e como, unicamente, baseada, bem mais solidamente do que as suas irmãs velhas, sobre o método experimental; a química, digo eu, fez reparos nos quatro elementos primitivos, que os Antigos tinham concordado em reconhecer na Natureza; mostrou que o elemento terrestre não é senão a combinação de substâncias diversas, variadas ao infinito; que o ar e a água são igualmente decomponíveis, e o produto de um certo número de equivalentes de gases; que o fogo, longe de ser, ele também, um elemento principal, não é senão um estado da matéria, resultante de movimento universal ao qual está submetida, e de uma combustão sensível ou latente.

Em compensação, encontrou um número considerável de princípios, até então desconhecidos, que lhe pareceu formar, por suas combinações determinadas, as diversas substâncias, os diversos corpos que ela estudou, e que atuam simultaneamente, segundo certas leis, e em certas proporções, nos trabalhos operados no grande laboratório da Na-