A GÊNESE - CAPÍTULO SÉTIMO 1781

espessura e não oferecia senão uma resistência bastante fraca à efervescência das matérias esbraseadas que ela recobria e comprimia. Aí se produziram dilatações, fraturas numerosas por onde se expandia a lava interior. O solo não apresentava senão desigualdades pouco consideráveis.

As águas, pouco profundas, cobriam com pouca diferença toda a superfície do globo, excetuando-se as partes elevadas, formando terrenos baixos, freqüentemente submersos.

O ar foi pouco a pouco expurgado das matéria mais pesadas, momentaneamente em estado gasoso, e que, em se condensando pelo efeito do resfriamento, eram precipitadas na superfície do solo, depois arrastadas e dissolvidas pelas águas.

Quando se fala do resfriamento nessa época, é necessário entender esta palavra num sentido relativo, quer dizer, com relação ao estado primitivo, porque a temperatura deveria ser ainda ardente.

Os espessos vapores aquosos que se elevavam de todas as partes da imensa superfície líquida, retumbavam em chuvas abundantes e quentes, e obscureciam o ar. Entretanto, os raios do Sol começavam a aparecer através dessa atmosfera brumosa.

Uma das últimas substâncias das quais o ar deve ter sido expurgado, porque está naturalmente no estado gasoso, foi a ácido carbônico, que lhe formava, então, uma das partes constituintes.

23. – Nessa época começaram a se formar as camadas de terreno de sedimento, depositados pelas águas carregadas de lama e de matérias diversas, próprias da vida orgânica.

Então apareceram os primeiros seres vivos do reino vegetal e do reino animal; no início em pequeno numero, encontram-se-lhes os traços com mais freqüência à medida que se elevam nas camadas dessa formação. É notável que, por toda a parte, a   vida  se   manifesta  logo que as condições   lhe  são   propícias, e que cada espécie nasce desde que   se produzam as condições próprias para a sua existência.