O LIVRO DOS ESPÍRITOS - LIVRO II - CAP. VI - VIDA ESPÍRITA 182

– Sem dúvida, é a matéria que deseja essas grandezas para gozá-las; como Espírito, deseja-as para conhecer-lhes as vicissitudes.

268 – Até alcançar o estado de pureza perfeita, o Espírito tem, constantemente, provas a suportar?

– Sim, mas elas não são como as entendeis, pois, chamais de provas as tribulações materiais. Ora, o Espírito, alcançando um certo grau, sem ser perfeito, não tem mais provas a suportar, porém, tem sempre deveres que o ajudam a se aperfeiçoar, e que não lhe são penosos, não fosse senão o de ajudar os outros a se aperfeiçoarem.

269 – O Espírito pode enganar-se quanto à eficiência da prova que escolheu?

– Pode escolher uma que esteja acima de suas forças e, então, sucumbe; pode, também, escolher uma que não lhe dê proveito algum, como ocorre se prefere um gênero de vida ociosa e inútil. Nesse caso, uma vez de volta ao mundo dos Espíritos, ele percebe que nada ganhou e pede outra existência para reparar o tempo perdido.

270 – A que se devem as vocações de algumas pessoas e sua vontade de seguir uma carreira de preferência a outra?

– Parece-me que vós mesmos podeis responder a esta questão. Não é a conseqüência de tudo o que dissemos sobre a escolha das provas e sobre o progresso realizado numa existência anterior?

271 – No estado errante, o Espírito, estudando as diversas condições nas quais poderá progredir, como pensa realizar seu progresso nascendo, por exemplo, entre canibais?

– Não são os Espíritos já avançados que nascem entre os canibais, mas Espíritos da natureza dos próprios canibais ou que lhes são inferiores.

Sabemos que os nossos antropófagos  não  estão  no  último grau da escala evolutiva e que  existem  mundos onde  o embrutecimento e a  ferocidade não  têm analogia sobre  a Terra. Esses Espíritos, portanto, são inferiores aos mais  inferiores  do nosso mundo e encarnar entre os nossos selvagens  é  para  eles um progresso, da mesma forma que seria um progresso para  os nossos antropófagos exercer entre nós uma profissão que não os obrigas-