A GÊNESE - CAPÍTULO DÉCIMO 1823

um mineral ou corpo inorgânico; o princípio vital, modificando a constituição molecular desse corpo, lhe dá propriedades especiais. Em lugar de uma molécula mineral, tem-se uma molécula orgânica.

A atividade do princípio vital é mantida, durante a vida, pela ação do desempenho dos órgãos, como o calor pelo movimento  de  rotação de uma roda; que essa ação cesse pela  morte, o princípio  vital se extingue como o calor, quando a roda cessa de girar. Mas o efeito produzido sobre o estado molecular do corpo, pelo princípio vital, subsiste depois  da  extinção desse princípio, como a carbonização da madeira  depois da extinção do calor. Na análise de corpos  orgânicos,  a  química encontra bem os elementos constituintes:   oxigênio, hidrogênio, azoto e carbono, mas não pode reconstituí-los, porque não existindo mais a causa, ela não pode reproduzir o efeito, ao passo que pode reconstituir uma pedra.

19. – Tomamos por comparação o calor desenvolvido pelo movimento de uma roda, porque é um efeito vulgar, conhecido de todo o mundo, e mais fácil de se compreender; mas seria mais exato dizer que, na combinação dos elementos para formar os corpos orgânicos, ele se desenvolve da eletricidade. Os corpos orgânicos seriam, assim, verdadeiras pilhas elétricas, que funcionam enquanto os elementos dessas pilhas estão nas condições requeridas para produzir a eletricidade: é a vida; que parem quando cessem essas condições: é a morte. Segundo isso, o princípio vital não seria outro que a espécie particular de eletricidade designada sob o nome de eletricidade animal, liberada durante a vida pela ação dos órgãos, e cuja produção se suspende na morte pela cessação dessa ação.

GERAÇÃO ESPONTÂNEA

20. – Pergunta-se naturalmente por que não se formam mais seres vivos nas mesmas condições que os primeiros que apareceram sobre a Terra.

A questão da geração espontânea, que hoje preocupa a ciência, se bem que ainda diversamente resolvida, não pode deixar de lançar a luz sobre esse assunto. O problema