A GÊNESE - CAPÍTULO DÉCIMO-PRIMEIRO 1835

Fique bem entendido que não se trata aqui senão de uma hipótese, que de nenhum modo é colocada como princípio, mas dada somente para mostrar que a origem do corpo não prejudica o Espírito, que é o ser principal, e que a semelhança do corpo do homem com o corpo do macaco não implica a paridade entre seu Espírito e o do macaco.

16. – Admitindo essa hipótese, pode-se dizer que, sob a influência e pelo efeito da atividade intelectual de seu novo habitante, o envoltório modificou-se, embelezou-se nos detalhes, conservando em tudo a forma geral do conjunto (nº 11). Os corpos melhorados, em se procriando, reproduziram-se nas mesmas condições, como ocorre com árvores enxertadas; deram nascimento a uma nova espécie que, pouco a pouco, se distanciou do tipo primitivo, à medida que o Espírito progrediu.  O  Espírito  macaco,  que  não se exterminou, continuou a procriar corpos de macacos para seu uso, como o fruto da planta brava reproduz planta brava, e o Espírito humano procriou corpos de homens, variantes do primeiro molde em que se estabeleceu. A linhagem se bifurcou; ela produziu um descendente, e esse descendente tornou-se linhagem.

Como não há transição brusca na Natureza, é provável que os primeiros homens que apareceram sobre a Terra devem ter pouco diferenciado do macaco pela forma exterior, e, sem dúvida, não muito mais pela inteligência. Há ainda, em nossos dias, selvagens que, pelo comprimento dos braços e dos pés, e a conformação da cabeça, têm de tal modo o comportamento do macaco, que não lhes falta senão serem peludos para completarem a semelhança.

ENCARNAÇÃO DOS ESPÍRITOS

17. – O Espiritismo nos ensina de que maneira se opera a união do Espírito e do corpo na encarnação.

O Espírito, pela sua essência espiritual, é um ser indefinido, abstrato, que não pode ter uma ação direta sobre a matéria, sendo-lhe necessário um intermediário; esse intermediário está no envoltório fluídico que faz, de alguma sorte, parte integrante do Espírito, envoltório semi-material, quer dizer, tendo da matéria por sua origem e da espiri-