A GÊNESE - CAPÍTULO DÉCIMO-SEGUNDO 1867

23. O  Senhor  Deus  fê-lo sair do jardim de delícias, a fim de que  fosse  trabalhar  na  cultura da terra de onde fora tirado.

24. E tendo-os expulsado, colocou os querubins (1) diante do jardim de delícias, que faziam cintilar uma espada de fogo, para guardar o caminho que conduzia à árvore da vida.

15. – Sob uma imagem pueril, e às vezes ridícula, detendo-se na forma, a alegoria esconde, freqüentemente, as maiores verdades. Há uma fábula mais absurda, à primeira vista, que a de Saturno, um deus devorando pedras que toma por seus filhos? Mas, ao mesmo tempo, que de mais profundamente filosófico e verdadeiro do que essa figura, procurando-se o seu sentido moral! Saturno é a personificação do tempo; todas as coisas sendo obra do tempo, ele é o pai de tudo o que existe, mas também tudo se destrói com o tempo. Saturno devorando as pedras é o emblema da destruição, pelo tempo, dos corpos mais duros que são os seus filhos, uma vez que se formaram com o tempo. E o que escapa a essa destruição, segundo essa mesma alegoria? Júpiter, o emblema da inteligência superior, do princípio espiritual, que é indestrutível. Essa imagem é mesmo tão natural que, na linguagem moderna, sem alusão à Fábula antiga, diz-se de uma coisa deteriorada com o tempo, que ela é devorada pelo tempo, roída, destruída pelo tempo.

Toda a mitologia pagã, em realidade, não é senão um vasto quadro alegórico dos diversos lados, bons e maus, da Humanidade. Para quem nela procura o espírito, é um curso completo da mais alta filosofia, como ocorre com as nossas fábulas modernas. O absurdo seria tomar a forma pelo fundo.

16. – Ocorre o mesmo com a Gênese, onde é necessário ver as grandes verdades morais sob figuras materiais que, tomadas pela letra, seriam tão absurdas quanto se, em nossas fábulas, se tomassem pelas letras as cenas e os diálogos atribuídos aos animais.


(1) Do hebraico cherub, keroub, boi, charab, lavrador: anjos do segundo coro da primeira hierarquia, que se representavam com quatro asas, quatro faces e pés de boi.