A GÊNESE - CAPÍTULO DÉCIMO-SEGUNDO 1871

tido a proibição de tocar o fruto da árvore, e que se conformasse com ele, escrupulosamente, onde estaria a Humanidade, e que seria com isso dos desígnios do Criador?

Deus não criara Adão e Eva para que permanecessem sozinhos sobre a Terra; e a prova disso está nas próprias palavras que dirigiu imediatamente depois de sua formação, então quando ainda estavam no paraíso terrestre: "Deus os abençoou e disse: Crescei e multiplicai-vos, enchei a Terra e sujeitai-a." (Cap. I, v. 28.) Uma vez que a multiplicação do homem era uma lei desde o paraíso terrestre, a sua expulsão não poderia ter por causa o fato suposto.

O   que  dá  crédito  a   essa suposição é o sentimento de vergonha de que Adão e Eva foram tomados diante de Deus, e que os levou a se esconderem. Mas essa própria vergonha é uma figura por comparação: ela simboliza a confusão  que  todo  culpado sente em   presença daquele a quem ofendeu.

20. – Qual é, pois, em definitivo, essa falta tão grande que pôde atingir com a reprovação perpétua a todos os descendentes daquele que a cometeu? Caim, o fratricida, não foi tratado tão severamente. Nenhum teólogo pôde defini-la logicamente, porque todos, não saindo da letra, giraram num círculo vicioso.

Hoje, sabemos que essa falta não foi um ato isolado, pessoal a um indivíduo, mas que ela compreende, sob um fato alegórico único, o conjunto das prevaricaçõesdas quais pôde se tornar culpada a Humanidade ainda imperfeita da Terra, e que se resumem nestas palavras: infração às leis de Deus. Eis porque a falta do primeiro homem, simbolizando a Humanidade, foi simbolizada, ela mesma, por um ato de desobediência.

21. – Dizendo  a Adão que ele tiraria o seu alimento da terra  com   o suor de seu rosto, Deus simboliza a obrigação do trabalho;   mas  por  que  faz  do trabalho uma punição? Que seria a inteligência do homem se ela não se desenvolvesse pelo trabalho? Que seria a terra, se ela não fosse fecundada, transformada, saneada pelo trabalho inteligente do homem?