A GÊNESE - CAPÍTULO DÉCIMO-QUINTO 1926

duzir. É notável que o efeito não foi provocado por nenhum ato da vontade de Jesus; ele não fez nem magnetização e nem imposição das mãos. A irradiação fluídica normal bastou para operar a cura.

Mas por que essa irradiação se dirigiu para essa mulher, antes que para os outros, uma vez que Jesus não pensava nela, e que estava cercado pela multidão?

A razão disso é bem simples. O fluido, sendo dado como  matéria   terapêutica, deve  atingir a desordem orgânica para repará-la; pode ser dirigido sobre o mal pela vontade do curador, ou atraído pelo desejo ardente, a confiança, em uma palavra, a fé do enfermo. Com relação à corrente fluídica, o primeiro fato tem o efeito de uma bomba premente e o segundo de uma bomba aspirante. Algumas vezes, a simultaneidade  dos  dois  efeitos   é necessária, outras vezes, um   só  basta;   foi o segundo que ocorreu nesta circunstância.

Jesus tinha, pois, razão em dizer: "A vossa fé vos salvou." Compreende-se aqui que a fé não é a virtude mística, tal como certas pessoas a entendem, mas uma verdadeira força  atrativa, ao  passo  que  aquele  que   não a tem opõe à corrente fluídica uma força repulsiva, ou pelo menos uma força  de  inércia,  que paralisa a  ação. Segundo   isto, compreende-se que dois enfermos atingidos pelo mesmo mal, estando em presença de um curador, um pode ser curado e o  outro  não.  Está  aí  um  dos  princípios mais importantes da mediunidade curadora e que explica, por uma causa muito natural, certas anomalias aparentes. (Cap. XIV, nº 31, 32, 33).

CEGO DE BETSAIDA.

12. – Tendo chegado a Betsaida, levaram-lhe um cego que lhe pedia para tocá-lo.

E, tomando o cego pela mão, levou-o para fora da povoação; colocou-lhe saliva sobre os olhos, e lhe tendo imposto as  mãos,  perguntou-lhe se via alguma coisa. – Esse homem, olhando, lhe disse: Vejo andar homens que parecem árvores.  – Jesus  lhe  colocou ainda uma vez mais as  mãos sobre os olhos, e ele começou a ver melhor; e, enfim, foi de tal modo curado, que via distintamente todas as coisas.