A GÊNESE - CAPÍTULO DÉCIMO-QUINTO 1930

para o alto. – Jesus, vendo-a, chamou-a e disse: Mulher, estais livre da vossa enfermidade. – Ao mesmo tempo, lhe impôs as mãos; e logo ela se endireitou, e disso deu graças a Deus.

Mas o chefe da sinagoga, indignado porque Jesus curara num dia de sábado, disse ao povo: Há seis dias destinados ao trabalho; vinde todos esses dias para serem curados, e não nos dias de sábado.

O Senhor, tomando a palavra, disse-lhe: Hipócrita, há algum de vós que não solta seu boi, ou seu asno, da manjedoura  no dia  de sábado, e não o conduz a beber? – Por que,  pois, não conviria livrar de seus laços, em um dia de sábado,  esta  filha de  Abraão, que Satanás manteve assim ligada  durante  dezoito anos?

A estas palavras, todos os seus adversários ficaram confusos,  e  todo o  povo estava arrebatado por vê-lo fazer tantas ações gloriosas. (São Lucas, cap. XIII, v. de 10 a 17).

20. – Este fato prova que, naquela época, todas as enfermidades eram atribuídas ao demônio, e que se confundiam, como hoje, os possuídos com os enfermos, mas em sentido inverso; quer dizer que, hoje, aqueles que não crêem nos Espíritos, confundem as obsessões com as enfermidades patológicas.

PARALÍTICO DA PISCINA.

21. – Depois disto, tendo chegado a festa dos Judeus, Jesus foi para Jerusalém. – Ora, havia em Jerusalém a piscina das Ovelhas, que se chama em hebreu: Bethsaida, que tinha cinco corredores, – nos quais eram deitados, em grande número, os enfermos, cegos, coxos, e aqueles que tinham os membros ressecados, e todos esperavam que a água se agitasse. – Porque o anjo do Senhor, em um certo tempo, descia nessa piscina e lhe agitava a água; e aquele que entrasse primeiro, depois que a água assim se agitasse, era curado, qualquer que fosse a enfermidade que tivesse.

Ora, havia  ali  um  homem  que  estava enfermo há trinta e oito anos. – Jesus, tendo-o visto deitado, e sa-